O ampliamento do conceito de gênero

A grande fábrica de tendências que se tornou a indústria da moda vem provocando um cansaço geral nas pessoas. O consumidor não tem tempo de acompanhar as novidades, e os criadores não conseguem gerar ideias novas em espaços tão curtos de tempo. Surge assim um interesse maior por peças clássicas e por uma neutralidade estética, capaz de migrar por diversas estações. Aliado a isso, acontece há um tempo na moda um movimento de inversão de códigos do vestuário masculino e feminino, quebrando normas pré-estabelecidas e antigas noções de gênero. Não se trata mais da apropriação do vestuário masculino pelo feminino ou vice-versa, mas sim de uma moda neutra, liberta de estereótipos, que propõe uma espécie de jogo ilusório interpretado por alguns como unissex.

O estilista britânico Richard Nicoll é conhecido por sua moda atemporal e clássica.
O estilista britânico Richard Nicoll é conhecido por sua moda atemporal e clássica.

São produtos — não só roupas — que desconectam o unissex daquela ideia de “básico”, propondo soluções de design que cumprem sua funcionalidade independente do gênero.

Design unissex na marca de cosméticos Fisix.
Design unissex na marca de cosméticos Fisix.
Enter Pronoun é uma linha de maquiagem unissex, lançada "para tempos em que ousadia, não-conformidade e aceitação se intersectam”.
Enter Pronoun é uma linha de maquiagem unissex, lançada “para tempos em que ousadia, não-conformidade e aceitação se intersectam”.

Uma figura pública que incorpora esse espírito é a atriz Tilda Swinton. Seu estilo andrógino é admirado pela elegância e pelo minimalismo, mas isso não impede que uma vez ou outra ela surja também deslumbrante em vestidos tradicionalmente femininos. Tilda faz uma bolinha de papel com as expectativas de gênero e a arremessa certeira no cesto de lixo.

A inevitável adaptação do mercado de moda

Novos formatos de negócio começam a surgir no mundo todo, atendendo um público até então carente de roupas que acompanhassem seus modos de pensar a questão do gênero. É o caso da marca americana Wildfang, que se identifica como a primeira loja do mundo direcionada ao público tomboy. Mais do que qualquer interesse capitalista que possa haver na exploração desse nicho, o reconhecimento da existência desse público é motivo de celebração e prenúncio de um novo tempo.

Wildfang

Empresas que oferecem peças customizadas para pessoas não conformadas com seus gêneros estão ganhando visibilidade na indústria da moda, contribuindo para a redefinição dos parâmetros de identidade. Bindle & Keep, uma marca de alfaiataria masculina, passou a adaptar suas coleções para modelagens femininas graças ao empurrãozinho de Rachel Tutera. Ela conta que, quando vestiu roupas de menino pela primeira vez na pré-adolescência, viu no espelho a versão mais autêntica de si mesma. Porém, ser obrigada a comprar nas seções masculinas das lojas lhe causava insegurança: além da experiência humilhante, nada caia bem nas suas proporções. Disposta a mudar essa situação, ela convenceu os donos da Bindle & Keep de que eles estavam desatentos a uma poderosa clientela perdida no mercado.

Em 2012, Yves Saint Laurent escolheu a modelo Saskia de Brauw para estrelar a campanha de sua coleção masculina.

Ainda que a destruição do conceito de gênero seja uma questão nova ou ainda distante para a maioria da sociedade, o posicionamento vanguardista da moda começa a encontrar expressividade na mídia.

Em 2010, a Ford Models incluiu Casey Lecklord como integrante de seu casting masculino. Apesar de ainda exercer um papel feminino nas fotos, a modelo sinaliza avanço para a permeabilização das fronteiras do gênero.

Barneys
Barneys

Na campanha de verão 2014 da Barneys New York, dezessete modelos transgêneros foram clicados por Bruce Weber. As fotos mostram os modelos interagindo entre eles e também com seus familiares e animais de estimação. Nesta coleção, 10% da renda é doada para o National Center for Transgender Equality e para o New York’s LGBT Community Center.

Conchita

Em 2014, Conchita Wurst superou todas as estranhezas e preconceitos e venceu o Eurovision Song Contest, um show de talentos com alcance mainstream na Europa. Sua aparência feminina associada à barba chocou o público em um primeiro momento, mas sua vitória no Eurovision reflete a aceitação da mistura de gêneros incorporada por Conchita.

Yanis Marshall, Arnaud & Mehdi formam um trio de dançarinos que chegaram à final da edição 2014 do programa Britain’s Got Talent. De salto alto, eles se apropriam magistralmente — e com todo direito — de coreografias tradicionalmente executadas por mulheres.

2014, o ano trans

O gênero nunca foi tão debatido e estudado. Pela primeira vez na história, uma pessoa transgênera esteve na capa da revista Time, em junho de 2014: Laverne Cox, atriz conhecida por seu papel no seriado Orange Is The New Black. Sua atuação impecável também fez dela a primeira transgender indicada ao prêmio Emmy.

Time Laverne Cox

O bósnio Andrej Pejic ficou mundialmente conhecido por transitar entre passarelas femininas e masculinas, tornando-se um dos principais representantes da moda andrógina. Recentemente, declarou sua redesignação sexual e passou a se chamar Andreja.

Andreja Pejic Seja unissex, no-gender ou gender blender, a definição é apenas protocolo. Os pensamentos preconceituosos de uma esmagadora maioria estão começando a diminuir ao passo que a cultura contemporânea reconhece a urgência de uma nova consciência. Nos próximos anos, o conceito de gênero será gradualmente destruído.

Capa: Chloe Aftel (San Francisco Magazine)
Versão resumida ×

Acontece há um tempo na moda um movimento de inversão de códigos do vestuário masculino e feminino, quebrando normas pré-estabelecidas e antigas noções de gênero. Não se trata mais da apropriação do vestuário masculino pelo feminino ou vice-versa, mas sim de uma moda neutra, liberta de estereótipos, que propõe uma espécie de jogo ilusório interpretado por alguns como unissex.

Novos formatos de negócio começam a surgir no mundo todo, atendendo um público até então carente de roupas que acompanhassem seus modos de pensar a questão do gênero. Ainda que o ampliamento do conceito de gênero seja uma questão nova ou ainda distante para a maioria da sociedade, o posicionamento vanguardista da moda começa a encontrar expressividade na mídia: modelos transexuais, modelos femininas em castings masculinos, a primeira pessoa trangênera a sair na capa da revista Time.

Seja unissex, no-gender ou gender blender, a definição é apenas protocolo. Os pensamentos preconceituosos de uma esmagadora maioria estão começando a diminuir ao passo que a cultura contemporânea reconhece a urgência de uma nova consciência. Nos próximos anos, o conceito de gênero será gradualmente destruído.

Exibir texto integral

Vá Além

Um dos super-heróis mais icônicos da Marvel agora é uma mulher

O super macho Thor, deus nórdico portador de um martelo com poderes, ganha uma versão feminina. A Marvel explica que a transformação não o torna uma deusa, ele continua sendo um deus. Vale lembrar que Thor já assumiu diversas formas em suas histórias, e que não é a primeira vez que a Marvel faz mudanças bruscas na aparências de suas personagens.

Sobre a estétita da imortalidade e o choque contemporâneo

Apesar da regularidade das mudanças do padrão estético, a sociedade contemporânea continua se chocando com as aparências que fogem da beleza regular. As cabeças estão abertas, mas nem tanto assim, ainda falta tolerância. Basta tempo para digerir as novas informações e assimilar a relatividade da feiúra e da beleza, de acordo com o tempo.

Karl Lagerfel e Conchita Wurst: o novo power duo da moda

Conchita Wurst é a nova queridinha de grandes nomes da moda. Ela fechou um desfile de Jean-Paul Gaultier e foi fotografada por Karl Lagerfeld para uma matéria entitulada “The New Normal”, ou “O novo normal”, do CR Fashion Book de Carine Roitfield.

A CEO trans-tudo

Dentre os CEOs mais bem pagos dos Estados Unidos, uma quantidade ínfima é de mulheres. Quem diria, então, que a executiva mais bem paga nessa lista é uma mulher transexual? As pessoas transexuais ainda encontram dificuldades na inserção do mercado de trabalho, mas exemplos de sucesso como esse provam que as coisas estão mudando.

Transparent humaniza a questão de gênero

A série para televisão produzida pela Amazon “Transparent” trata de uma família cujo pai se descobre transexual. O viés sério do programa é confortante frente ao hábito midiático de abordar personagens trans em um tom ofensivo de comédia. Questões de gênero também vem sendo mais abordadas por filmes como “Elvis & Madonna” e “Tomboy”.

70 novas opções de gênero no Facebook

As definições de gênero nos perfis do Facebook passam de setenta, graças a uma iniciativa cujo objetivo é refletir a sociedade contemporânea nas redes sociais. Agora também é possível escolher por qual pronome se deseja ser chamado. Infelizmente essas alterações ainda são restritas a usuários residentes no Reino Unido.

Os EUA estão prontos para Carmen Carrera?

Depois de muitas selfies, Carmen Carrera ficou confiante de que ser modelo era um futuro tangível para ela. Com pouco tempo de carreira, Carmen chamou a atenção da mídia, às vezes de forma desrespeitosa, por ser uma mulher transgênera. Seu próximo alvo é o popular desfile da Victoria's Secret – uma petição com esse fim já foi até organizada por seus fãs.

Comente

Mudando de assunto...

Auto-trolling como forma de blindagem

Comunicação

Seja em filtros de Instagram ou em status editados nas redes sociais, vivemos em um mundo onde a imagem pessoal é lapidada com tamanho esmero que pouco sobra de sua essência verdadeira. Quando todos estão habituados a apresentar a melhor versão de si, reconhecer a imperfeição passa a ser valorizado como prova de autenticidade e auto-confiança. A auto-trollagem é uma forma libertadora de desmistificar o jogo de imagens imaculadas que circulam nas timelines da vida.

Carne, ossos e componentes eletrônicos

Tecnologia

A inteligência artificial e os ciborgues são a expressão mais extrema da conciliação entre máquinas e nosso cotidiano. O homem contemporâneo tem alto poder de transformação. Ele é de carne, osso e, se assim desejar, de componentes eletrônicos. Ao contrário do que se pode pensar, o cenário em que vivem os ciborgues não é um clichê prateado futurístico.

Passarelas da não-linearidade

Moda

A glorificação das fashion weeks como lançadoras absolutas de tendências cai por terra quando todos parecem beber da mesma fonte de inspiração. A rua evidencia como está desgastada a ideia de que uma tendência vem sempre de cima para baixo — da elite para o popular. Hoje, as inspirações transitam fluidas e podem estar em qualquer lugar.