Quiet Bliss

/

por Eduardo Biz

A macro-tendência que a Box1824 chama de Quiet Bliss aborda o comportamento de um mundo acostumado a operar em um ritmo inalcançável, no qual é crescente o despertar pela desaceleração.

A quietude tem sido vista não só como medida preventiva, mas também como um recurso para aumentar a produtividade. Mais do que isso, o silêncio passa a ser revalorizado como medida essencial para resgatar o equilíbrio e a criatividade pessoal.

Isolar-se da poluição visual, sonora e de informação passa a ser valorizado como forma de se reconectar consigo mesmo e com o mundo ao redor. O não-registro, a contemplação, o digital-detox e o monotasking entram em cena para propor uma maior presença e contemplação do momento.

Leia o report completo.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

A desaceleração do fast fashion

Unfashion

Impossível listar todas as referências que definem a estética dos primeiros anos do século XXI, e muito menos eleger a mais marcante. A moda nunca foi tão globalizada, e nunca tantas pessoas em tantos lugares diferentes do mundo se vestiram da mesma maneira. Um dos grandes responsáveis por isso é o fast fashion, que defende exatamente a grande essência da moda: a efemeridade. Mas este cenário já apresenta sinais de desgaste.

Pós-capitalismo e o consumo como statement

Lowsumerism

Em um mundo com menos dinheiro, mas mais tempo e mais acesso ao conhecimento, os valores não permanecem, nem poderiam permanecer, os mesmos. No lugar de bolsas com imensas estampas de marcas e, indiretamente, imensos indicativos de seus preços imensos, passamos a procurar empresas que estampem coisas com as quais realmente nos importamos. O consumo como statement aponta para consumidores que sabem o peso político de tudo que compram.

Anti-intelectualismo e o diagnóstico do subjetivo

 

Em um cenário de crise generalizada da (des)confiança, passamos a questionar especialistas — nada mais é subjetivo ou complicado demais para que não tenhamos uma opinião certeira e definitiva, capaz de ditar inclusive o que podem pensar as outras pessoas. O anti-intelectualismo é comumente expresso na forma de hostilidade e desconfiança em relação ao universo intelectual, como por exemplo a depreciação da filosofia e o desdém pela arte.