Quiet Bliss

/

por Eduardo Biz

A macro-tendência que a Box1824 chama de Quiet Bliss aborda o comportamento de um mundo acostumado a operar em um ritmo inalcançável, no qual é crescente o despertar pela desaceleração.

A quietude tem sido vista não só como medida preventiva, mas também como um recurso para aumentar a produtividade. Mais do que isso, o silêncio passa a ser revalorizado como medida essencial para resgatar o equilíbrio e a criatividade pessoal.

Isolar-se da poluição visual, sonora e de informação passa a ser valorizado como forma de se reconectar consigo mesmo e com o mundo ao redor. O não-registro, a contemplação, o digital-detox e o monotasking entram em cena para propor uma maior presença e contemplação do momento.

Leia o report completo.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

A troca entre arte e a vida: convites para um melhor 2019

Unclassed

Com o ano começando, estamos ainda aquecidos com o espírito do recomeço e com a velha lista de resoluções em mãos. E com um mundo “novo”, as várias entregas que temos ao mesmo (e curto) tempo, mudanças na economia que ainda aguardamos e um um Fla-Flu na orientação política dentro e fora de casa, achamos…

O absurdo ato de morrer

Playing Reality

Se eu pudesse escolher, preferiria começar este texto sem mencionar o céu (o físico, no caso), mas o clichê é inevitável, pois foi exatamente assim que aconteceu: caía uma tempestade de raios na noite em que lidei pela primeira vez com a possibilidade de o meu pai morrer. Fiquei pensando no quanto esse fenômeno da…

O algoritmo entende de música?

Music Trends

Vamos continuar com um dos fascinantes temas do SXSW esse ano, “O valor da toque humano na curadoria musical”, e lembramos de uma pauta que é quase um bode na sala para todos nós: Algoritmos nas plataformas de música. Todos usamos, estamos separados entre amar e odiar a intervenção de inteligências não-humanas através do algoritmo,…