Auto-trolling como forma de blindagem

/

Quando reconhecer a imperfeição implica em desmistificar o jogo imaculado que circula nas timelines

por Eduardo Biz

Seja em filtros de Instagram ou em status editados nas redes sociais, vivemos em um mundo onde a imagem pessoal é lapidada com tamanho esmero que pouco sobra de sua essência verdadeira. O estímulo à autopromoção é cada vez mais explícito, ao mesmo tempo que a busca pela perfeição se torna entediante e pouco autêntica.

Quando todos estão habituados a apresentar a melhor versão de si e tentar agradar ao maior número de amigos ou seguidores, reconhecer a imperfeição passa a ser valorizado como prova de autenticidade e autoconfiança.

Jennifer Lawrence, uma das estrelas mais carismáticas de Hollywood.
Jennifer Lawrence, uma das estrelas mais carismáticas de Hollywood.
Jennifer Lawrence discurso

Saber rir de si mesmo é saber que ninguém está acima do ridículo. Nessa lógica, a auto-trollagem é uma forma libertadora de desmistificar o jogo de imagens imaculadas que circulam nas timelines da vida.

Selfies imperfeitas: Lorde, no auge de seus 17 anos, publica fotos suas com espinhas. A aparência natural, geralmente apontada pela mídia como defeito, para a cantora é motivo de orgulho. Ela ataca antes de ser atacada.

Auto-trolling for business

Para marcas e corporações, o Smart Trolling permite uma postura mais libertária e interessante do que o empoeirado “Olimpo das Marcas Aspiracionais”. A Pepsi foi pioneira nesse pensamento, quando lançou sua campanha Pode ser?, em 2010.

Ninguém tem certeza absoluta se os perfis sociais da Dolly são oficiais ou não.
Ninguém tem certeza absoluta se os perfis sociais da Dolly são oficiais ou não.

O browser Internet Explorer fez 50 milhões de pessoas se arrepiarem com seu discurso nostálgico dos anos 1990. Quem vai conseguir reclamar do pior navegador do mundo depois de assistir a esse vídeo?

O serviço de streaming de música Spotify incorporou a atitude nonsense e a devoção dos jovens à música como tema da comunicação. Os filmes são sempre em primeira pessoa, e o tom de self-joke serve como um retrato de todos nós.

No Brasil, o estilista Fernando Cozendey tem caído no gosto de mulheres como Fernanda Lima, Gaby Amarantos, Céu e Vanessa da Mata. O que chama a atenção no seu trabalho, além da destreza de lidar com um tecido tão complicado como a lycra, são as criações permeadas por um humor escrachado.

Fernando Cozendey

Rir de si mesmo é assumir que, em algum momento, você também é motivo de piada para alguém. É rir da própria foto antes de apontar o dedo para o perfil ao lado. É sair do pedestal, descer do salto, revelar fraquezas e, assim, conquistar empatia.

Versão resumida ×

Seja em filtros de Instagram ou em status editados nas redes sociais, vivemos em um mundo onde a imagem pessoal é lapidada com tamanho esmero que pouco sobra de sua essência verdadeira. O estímulo à autopromoção é cada vez mais explícito, ao mesmo tempo que a busca pela perfeição se torna entediante e pouco autêntica.

Quando todos estão habituados a apresentar a melhor versão de si e tentar agradar ao maior número de amigos ou seguidores, reconhecer a imperfeição passa a ser valorizado como prova de autenticidade e auto-confiança.

Saber rir de si mesmo é saber que ninguém está acima do ridículo. Nesta lógica, a auto-trollagem é uma forma libertadora de desmistificar o jogo de imagens imaculadas que circulam nas timelines da vida.

Para marcas e corporações, essa postura abre espaço para um posicionamento mais libertário e interessante do que o empoeirado “Olimpo das Marcas Aspiracionais”. Rir de si mesmo é assumir que, em algum momento, você também é motivo de piada para alguém. É rir da própria foto antes de apontar o dedo para o perfil ao lado. É sair do pedestal, revelar fraquezas e conquistar empatia.

Exibir texto integral

Vá Além

TaTa Top

O TaTa Top é um top de biquíni com desenhos de mamilos no lugar dos mamilos reais, disponível em três cores que imitam diferentes tons de pele. É um questionamento bem humorado de por que os seios femininos são considerados imorais e passíveis de censura.

Comente

Mudando de assunto...

Minorias no pódio: o papel inclusivo do esporte

Post Prejudice

A reprovação veemente de posicionamentos discriminatórios e a comemoração das vitórias de classes oprimidas são comportamentos que iluminam intolerâncias e criam demanda por uma nova forma de noticiar o esporte. Quando há novos parâmetros para a construção de ídolos, a comunicação se empenha em cumprir um papel social relevante.

Cinema como perpetuação da mentalidade consumista

Lowsumerism

Até onde vão as similaridades de um filme com uma peça de fast fashion? O excesso de títulos lançados e a rapidez do rodízio nas salas empurra os espectadores a não terem tempo suficiente sequer para digerir os significados da história, pois o próximo imperdível já entra em cartaz. Assistir, ou não, a um filme é um ato profundamente conectado com as emergências do mundo atual.

Cidadania intermediada e o compromisso com a privacidade

Microeconomias

Dizer que a defesa do direito à privacidade é coisa do passado tornou-se comum nos corredores corporativos. Ora, as maravilhas proporcionadas pelo desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação surgiram intimamente ligadas à indústria da publicidade digital, que funciona a partir da coleta e processamento de dados pessoais para posterior venda de espaço publicitário personalizado…