Feminismo na rede: arma de longo alcance

/

O boom midiático do feminismo faz com que a mensagem contra o sexismo ecoe mais longe e com mais intensidade

por Sofia Soter capa Leah Reena Goren

Como editora de uma revista de cunho feminista para garotas adolescentes, dou entrevistas com bastante frequência. Em todas elas, uma pergunta invariavelmente se repete: “o que você acha dessa nova moda de feminismo?”. Pode ter variações, perguntas sobre um tal “feminismo pop”, sobre um “novo feminismo“, sobre um “feminismo divertido, diferente daquele feminismo chato que a gente conhece”. Não é de se surpreender, considerando o foco que o feminismo tem recebido na mídia nos últimos anos, como pauta de revistas, assunto frequente em qualquer entrevista com mulheres, e alvo de muita discussão de internet.

No entanto, reduzir um movimento sociopolítico e ideológico de fundamental importância histórica a uma moda é, no mínimo, insensível.

Esse tipo de abordagem também é pouco criativa: não é a primeira vez – e provavelmente não será a última – que o feminismo passa por um boom midiático. Por ser um movimento por igualdade, por ser um movimento por e para mulheres, o feminismo ganha visibilidade quando os assuntos que dizem respeito a elas ganham visibilidade. Por ser um movimento de reação, é natural que ganhe mais espaço na mídia quando problemas enfrentados por mulheres também conquistam esse espaço.

Riot Grrrls, Ms. Magazine, e o ciclo da mídia

Em 1971, a revista New York começou a publicar um suplemento abertamente feminista: Ms., editado por Gloria Steinem e Dorothy Pitman Hughes, ativistas feministas de segunda onda. O suplemento rapidamente se tornou uma revista completa, edições mensais foram publicadas de 1972 a 1987, e seu peso midiático foi forte o suficiente para incentivar uma conversa necessária em relação à legalização do aborto.

Law

Na década de 1990, o feminismo – como hoje – era assunto recorrente na mídia: o livro Backlash, uma investigação de Susan Faludi especificamente sobre a representação negativa do feminismo na mídia, passou 35 semanas na lista de mais vendidos do New York Times; um estudo sobre estupro nos EUA foi manchete de jornais no país inteiro; o movimento riot grrrl, de adolescentes feministas que expressavam seu ativismo por música, estilo e zines, foi foco de artigos em revistas, e assunto frequente na mídia de entretenimento (nem que fosse por conta do envolvimento pessoal de uma de suas expoentes, Kathleen Hanna, com Kurt Cobain).

Hoje, cantoras pop se declaram feministas — desde gigantes como Taylor Swift e Beyoncé até a funkeira Valesca Popozuda e a queridinha do Tumblr Halsey. O assunto, mais uma vez, é considerado uma novidade relevante pela mídia. É um ciclo, que se repete e se renova, trazendo à tona as demandas do movimento que são, naquele momento, consideradas mais pertinentes. Felizmente, esse ciclo também permite que cada novo “ponto alto” do feminismo se construa em cima do anterior, desenvolvendo e evoluindo a repercussão positiva do assunto.

Negahamburguer, artista brasileira engajada na causa feminista, cujo trabalho ganhou notoriedade nas redes sociais.
Negahamburguer, artista brasileira engajada na causa feminista, cujo trabalho ganhou notoriedade nas redes sociais.

Boom: o peso da internet

O diferencial principal do impacto midiático do feminismo atual em relação aos picos anteriores é – isso mesmo – a internet. A democratização da produção e do acesso a conteúdo que a internet permite abre espaço para vozes subalternas, para quem não tem reconhecimento na mídia tradicional, que por sua vez se vê correndo atrás de um ritmo que não é mais capaz de controlar. As discussões sobre feminismo se descentralizam porque se tornam mais plurais, e porque, no ambiente digital, é mais difícil calar nossas vozes (apesar de muita gente ainda tentar), e quase impossível ignorá-las.

A organização das feministas pela internet criou movimentos de conscientização amplos e difundidos, como os incentivados por hashtags. #AskHerMore estimula a mídia a fazer perguntas mais complexas e interessantes às mulheres, em vez do padrão de “como você perde peso?” e “qual o segredo do seu cabelo tão brilhante?”, enquanto #WhyIStayed abre espaço para mulheres conversarem abertamente sobre violência doméstica. Recentemente, brasileiras também aderiram massivamente à #MeuPrimeiroAssédio, estimuladas pelo tema da redação do Enem de 2015, que foi sobre “a persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”. Jout Jout, sensação vlogueira entre as feministas, até produziu um vídeo para visibilizar a causa:

Essa atenção crescente pode estar indicando um potencial fim do ciclo midiático. Em uma pesquisa sobre palavras que deveriam ser banidas em 2015, a revista Time destacou “feminism”, dando a entender que a “graça” do assunto já estava ultrapassada, e que não aguentavam mais ouvir falar do tema. Quanto mais espaço o feminismo ganha na mídia, mais reação negativa recebe também – dessa mesma mídia. A capacidade de atenção do público dura pouco, e a lealdade é passageira.

Enquanto o feminismo for lido como moda, como um assunto quente da mídia, enquanto não for levado a sério pelo público geral, é possível que o ciclo se repita.

Um ciclo de reações que, parafraseando Helen Lewis, comprovam a necessidade do feminismo. Entretanto, podemos ver isso tudo de um ponto de vista mais otimista: com a visibilidade das próprias feministas na mídia independente e nas redes sociais, é mais difícil permitir que a tentativa de mudança de lado da mídia tradicional ocorra. Toda vez que mais uma celebridade declara não ser feminista, uma série de feministas insistem na importância do movimento. Quando a Time incluiu “feminism” como palavra a ser banida, por exemplo, a reação negativa do público levou a revista a um pedido público de “mais-ou-menos-desculpas”.

Laura Liedo
Laura Liedo

“A reação negativa ao feminismo foi motivada não por mulheres atingindo total igualdade, mas pela crescente possibilidade de que elas possam atingi-la. É um ataque preventivo que para as mulheres muito antes da linha de chegada.”
— Susan Faludi

Esperamos que, desta vez, o ataque preemptivo não dê certo: vamos atravessar a linha de chegada.

Versão resumida ×

Hoje fala-se muito sobre um tal “novo feminismo”, sobre um “feminismo divertido, diferente daquele feminismo chato que a gente conhece”. No entanto, reduzir um movimento sociopolítico e ideológico de fundamental importância histórica a uma moda é, no mínimo, insensível. Esse tipo de abordagem também é pouco criativa: não é a primeira vez em que o feminismo passa por um boom midiático. Por ser um movimento por e para mulheres, o feminismo ganha visibilidade quando os assuntos que afetam as mulheres ganham visibilidade. Por ser um movimento de reação, é natural que ganhe mais espaço na mídia quando problemas enfrentados por mulheres também conquistam esse espaço.

O diferencial principal do impacto midiático do feminismo atual em relação aos picos anteriores é  a internet. A suposta democratização da produção e do acesso a conteúdo que a internet permite abre espaço para vozes subalternas, para quem não tem reconhecimento na mídia tradicional, e a mídia tradicional se vê correndo atrás de um ritmo que não é mais capaz de controlar. As discussões sobre feminismo se descentralizam, porque se tornam mais plurais, e porque, na internet, é mais difícil calar nossas vozes, e quase impossível ignorá-las.

Essa atenção crescente pode estar indicando um potencial fim do ciclo midiático. Ano passado, em uma pesquisa sobre palavras que deveriam ser banidas em 2015,a revista Time destacou “feminism”, dando a entender que a “graça” do assunto já estava ultrapassada, e que não aguentavam mais ouvir falar do tema. Quanto mais espaço o feminismo ganha na mídia, mais reação negativa recebe também – dessa mesma mídia.

Entretanto, podemos ver isso tudo de um ponto de vista mais otimista: com a visibilidade das próprias feministas na mídia independente e nas redes sociais, é mais difícil permitir que a tentativa de mudança de lado da mídia tradicional ocorra. Toda vez que mais uma celebridade declara não ser feminista, uma série de feministas insistem na importância do movimento. Nas palavras de Susan Faludi, em Backlash, escrito em 1991 mas com insights ainda surpreendentemente atuais:

“A reação negativa ao feminismo foi motivada não por mulheres atingindo total igualdade, mas pela crescente possibilidade de que elas possam atingi-la. É um ataque preventivo que para as mulheres muito antes da linha de chegada.”

Esperamos que, desta vez, o ataque preemptivo não dê certo: vamos atravessar a linha de chegada.

Exibir texto integral

Vá Além

Mulheres inspiradoras de 2014

O Think Olga é uma das fontes mais respeitadas do Brasil no que diz respeito ao feminismo. Esta lista de mulheres inspiradores é de curadoria de suas organizadoras e serve como fonte para buscar e conhecer trabalhos importantes que integram esta nova onda feminista.

Como as redes sociais estão mudando o movimento feminista

Para lutar contra o patriarcado, hoje basta uma conta no Twitter e uma boa hashtag. Não se trata de um substituto para o ativismo tradicional, mas um grande complemento. Engana-se quem pensa que este tipo de ativismo não traz frutos: feministas já conseguiram fazer suas demandas serem atendidas diversas vezes via internet.

Comente

Mudando de assunto...

O choque da estética da imortalidade

Short Life

A arte que provoca reações avessas aos padrões de belo é importante porque justamente ela é a responsável por quebrar paradigmas e redefinir os rumos da humanidade. Ao longo da História, cada época se escandalizou com alguma manifestação estética. Mas o inaceitável de ontem é o bem aceito de hoje. Atualmente, parece que já se viu de tudo e torna-se mais rara a estética capaz de chocar.

A ascensão dos poking games

Smart Trolling

A desinibição aliada à tecnologia mobile causou a ascenção dos apps sexuais. O ritmo rápido da paquera fez da busca por um parceiro algo parecido com uma ida ao supermercado. Essas brincadeiras compõem uma nova linguagem de conquista, abrindo brechas nas quais a trollagem se infiltra, tornando imperceptíveis as nuances que diferenciam o que é piada e o que é sedução.

As novas economias e suas possibilidades de fluxo

Lowsumerism

Para nos libertarmos de um modelo econômico que destrói a natureza e nos afasta de toda e qualquer conexão significativa, temos que nos livrar de suas premissas. A liberdade não reside na escolha de consumo nem de produção, mas na escolha de como fazê-los. O campo social pós-Internet mostra que, ao interagirmos na rede da economia colaborativa, ampliamos as possibilidades de fluxo, não só de informação mas também de recursos.