Autoconhecimento e paz: um comentário sobre espiritualidade

/

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz — o autoconhecimento pode ser uma ponte entre espiritualidade e mundo concreto

por Clarissa Lütke capa Flavie Audi

Desde que o mundo é mundo, pessoas buscam espiritualidade. Anjos, cristais, fadas, bruxaria, espíritos, energia, chakras, auras, psicanálise, mente, coração, conhecimento, intuição, matemática. São caminhos que levam à espiritualidade. Há ainda quem veja a espiritualidade por vias mais concretas, na criação de novas realidades, por meio da gentileza e da união.

Durante essa busca, pode existir a tendência de separar tudo em dois balaios: o que é espiritual e o que não é. Mas talvez a espiritualidade esteja em cada parte do nosso dia a dia, nas nossas relações e no autoconhecimento. Conhecer-se é parte fundamental do caminho espiritual. Meditar e entender que nosso comportamento é reflexo dos nossos pais são dois atos que podem ter, no fundo, a mesma motivação.

A consciência de que espiritualidade e autoconhecimento caminham juntos é capaz de abrir uma nova visão sobre espiritualidade, capaz de colocar o indivíduo em mais união com o todo.
Antoni Tápies

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz, a presença, o potencial universo dos anjos que pode haver dentro de qualquer um. Sim, o universo lindo e abençoado dos anjos — enquanto ele estiver somente fora, a paz que buscamos não durará muito tempo. Enquanto não encontrarmos o céu dentro de nós, podemos olhar, olhar, olhar para o paraíso, mas, assim que fecharmos os olhos, sentiremos o inferno interior — e vamos combinar, ficar “imaginando e olhando o paraíso” não é algo que dura muito tempo, especialmente no momento em que estamos.

O mundo, a natureza, as situações atuais nos têm demonstrado, do lado de fora, o caos interno que temos dentro. Enquanto não conhecermos e mudarmos o lado de dentro, é bem provável que as mudanças externas não se sustentem.

Se todos os seres que estão neste mundo são seres espirituais, o mundo material em que vivemos é um mundo também espiritual. Podemos entender que o mundo externo, material ou não, está constantemente impulsionando o autoconhecimento, trazendo estímulos e provocações pra entendermos como funcionamos e para assim, um dia, conseguir acessar paz dentro de nós.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Vá Além

Monja Coen

Autoconhecimento e o eu imaterial

Sri Prem Baba

Está reclamando?

Comente

Mudando de assunto...

#TRUEGEN TALK. Conversamos com alguns dos colaboradores do próximo vídeo geracional da BOX1824

 

Tivemos uma conversa de fim de tarde com alguns dos colaboradores do novo vídeo geracional, que será lançado logo mais pela Box1824. Falamos um pouco das características e comportamentos da geração Z a partir da ótica deles e como avaliavam essas tags. Participaram da conversa: @samurr, @yaminaheixo, @luizadealexandre, @volobodo. Segue o Baile! Ponto Eletrônico: Sobre…

Diversity Report: a representação de cores, gêneros, corpos e idades nas passarelas brasileiras

Empurpose

Em março deste ano, a indústria internacional da moda se viu finalmente associada ao termo diversidades em noticiário positivo. The Fashion Spot anunciava que, juntas, Nova York, Londres, Paris e Milão haviam feito da Fall 2018 a temporada de desfiles mais racialmente diversa da história. O percentual de 32.5% de participação de modelos não-brancos nos…

As fronteiras da linguagem minimalista

Short Life

Vivemos numa lógica comunicacional que carrega a compressão do máximo de significado em um mínimo de representação simbólica. A comunicação minimalista dos emojis propõe um novo paradigma linguístico. Em um mundo de excessos, comunicar muita coisa não é comunicar em quantidade. A fragmentação da linguagem hoje é tão profunda que uma única imagem pode ser muito mais precisa do que um parágrafo inteiro.