Autoconhecimento e paz: um comentário sobre espiritualidade

/

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz — o autoconhecimento pode ser uma ponte entre espiritualidade e mundo concreto

por Clarissa Lütke capa Flavie Audi

Desde que o mundo é mundo, pessoas buscam espiritualidade. Anjos, cristais, fadas, bruxaria, espíritos, energia, chakras, auras, psicanálise, mente, coração, conhecimento, intuição, matemática. São caminhos que levam à espiritualidade. Há ainda quem veja a espiritualidade por vias mais concretas, na criação de novas realidades, por meio da gentileza e da união.

Durante essa busca, pode existir a tendência de separar tudo em dois balaios: o que é espiritual e o que não é. Mas talvez a espiritualidade esteja em cada parte do nosso dia a dia, nas nossas relações e no autoconhecimento. Conhecer-se é parte fundamental do caminho espiritual. Meditar e entender que nosso comportamento é reflexo dos nossos pais são dois atos que podem ter, no fundo, a mesma motivação.

A consciência de que espiritualidade e autoconhecimento caminham juntos é capaz de abrir uma nova visão sobre espiritualidade, capaz de colocar o indivíduo em mais união com o todo.
Antoni Tápies

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz, a presença, o potencial universo dos anjos que pode haver dentro de qualquer um. Sim, o universo lindo e abençoado dos anjos — enquanto ele estiver somente fora, a paz que buscamos não durará muito tempo. Enquanto não encontrarmos o céu dentro de nós, podemos olhar, olhar, olhar para o paraíso, mas, assim que fecharmos os olhos, sentiremos o inferno interior — e vamos combinar, ficar “imaginando e olhando o paraíso” não é algo que dura muito tempo, especialmente no momento em que estamos.

O mundo, a natureza, as situações atuais nos têm demonstrado, do lado de fora, o caos interno que temos dentro. Enquanto não conhecermos e mudarmos o lado de dentro, é bem provável que as mudanças externas não se sustentem.

Se todos os seres que estão neste mundo são seres espirituais, o mundo material em que vivemos é um mundo também espiritual. Podemos entender que o mundo externo, material ou não, está constantemente impulsionando o autoconhecimento, trazendo estímulos e provocações pra entendermos como funcionamos e para assim, um dia, conseguir acessar paz dentro de nós.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Vá Além

Monja Coen

Autoconhecimento e o eu imaterial

Sri Prem Baba

Está reclamando?

Comente

Mudando de assunto...

Arquivos perdidos do Ponto: Comportamento dualista digital

Playing Reality

Vamos dividir uma verdade com vocês: nós, daqui,  ficamos sempre na expectativa de vivenciar todas todas as nossas apostas de futuro. Uma carga robusta de levantamentos e estudos que nos levaram a entregar o True Gen para vocês e, nos deparamos com uma provocação muito interessante da Lydia Caldana lá de 2015, onde as primeiras…

Finitude como forma de libertação

Short Life

A lógica da infinitude presente na Internet mudou a maneira como a informação é consumida. Há uma quantidade radical de conteúdo ao redor, independente de sua relevância e utilidade. Ver tantas opções escancaradas na sua frente é desesperador. Assim, um esquecimento generalizado coletivo clama por precisão e qualidade da informação. Chegar ao fim de algo pode ser mais libertador do que a infinitude.

GenExit: a geração pós-Personal Brand

 

Em tempos digitais, a individualidade é expressa através de Personal Brands, ou marcas pessoais — você é o que você posta, não necessariamente o que você vive. Mas para muitas pessoas, o feed deixou de ser uma inspiração para se tornar um lembrete diário de que você poderia — ou deveria — estar mais feliz. GenExit parte de um ponto de vista pragmático e realista: experimentar novas possibilidades identitárias que sejam mais livres e menos deterministas.