Autoconhecimento e paz: um comentário sobre espiritualidade

/

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz — o autoconhecimento pode ser uma ponte entre espiritualidade e mundo concreto

por Clarissa Lütke capa Flavie Audi

Desde que o mundo é mundo, pessoas buscam espiritualidade. Anjos, cristais, fadas, bruxaria, espíritos, energia, chakras, auras, psicanálise, mente, coração, conhecimento, intuição, matemática. São caminhos que levam à espiritualidade. Há ainda quem veja a espiritualidade por vias mais concretas, na criação de novas realidades, por meio da gentileza e da união.

Durante essa busca, pode existir a tendência de separar tudo em dois balaios: o que é espiritual e o que não é. Mas talvez a espiritualidade esteja em cada parte do nosso dia a dia, nas nossas relações e no autoconhecimento. Conhecer-se é parte fundamental do caminho espiritual. Meditar e entender que nosso comportamento é reflexo dos nossos pais são dois atos que podem ter, no fundo, a mesma motivação.

A consciência de que espiritualidade e autoconhecimento caminham juntos é capaz de abrir uma nova visão sobre espiritualidade, capaz de colocar o indivíduo em mais união com o todo.
Antoni Tápies

Saber quem somos e como funcionamos é fundamental para encontrar a paz, a presença, o potencial universo dos anjos que pode haver dentro de qualquer um. Sim, o universo lindo e abençoado dos anjos — enquanto ele estiver somente fora, a paz que buscamos não durará muito tempo. Enquanto não encontrarmos o céu dentro de nós, podemos olhar, olhar, olhar para o paraíso, mas, assim que fecharmos os olhos, sentiremos o inferno interior — e vamos combinar, ficar “imaginando e olhando o paraíso” não é algo que dura muito tempo, especialmente no momento em que estamos.

O mundo, a natureza, as situações atuais nos têm demonstrado, do lado de fora, o caos interno que temos dentro. Enquanto não conhecermos e mudarmos o lado de dentro, é bem provável que as mudanças externas não se sustentem.

Se todos os seres que estão neste mundo são seres espirituais, o mundo material em que vivemos é um mundo também espiritual. Podemos entender que o mundo externo, material ou não, está constantemente impulsionando o autoconhecimento, trazendo estímulos e provocações pra entendermos como funcionamos e para assim, um dia, conseguir acessar paz dentro de nós.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Vá Além

Monja Coen

Autoconhecimento e o eu imaterial

Sri Prem Baba

Está reclamando?

Comente

Mudando de assunto...

Autenticidade à nossa volta: um comentário sobre cultura visual brasileira

Unclassed

Especialmente em países colonizados, o complexo de vira-lata é um comportamento frequente. Reconhecer uma cultura visual brasileira que vá além da visão estrangeira é um exercício fundamental, não só para romper com esta visão limitante, mas também para encontrar o autêntico ao nosso redor. Uma das formas de se colocar isso em prática é fomentando a produção nacional e pensando o Brasil das margens, de forma hiper verdadeira.

Pós-capitalismo e o consumo como statement

Lowsumerism

Em um mundo com menos dinheiro, mas mais tempo e mais acesso ao conhecimento, os valores não permanecem, nem poderiam permanecer, os mesmos. No lugar de bolsas com imensas estampas de marcas e, indiretamente, imensos indicativos de seus preços imensos, passamos a procurar empresas que estampem coisas com as quais realmente nos importamos. O consumo como statement aponta para consumidores que sabem o peso político de tudo que compram.

Silêncio em tempos de excesso

Quiet Bliss

A quietude tem sido vista como medida essencial para resgatar o equilíbrio e a criatividade pessoal, dando novo status ao silêncio. A valorização da meditação na cultura de massa é uma das evidências dessa corrente, que naturalmente passa a influenciar as relações de consumo. O conceito de No Noise Branding prova que, muita vezes, silenciar comunica mais do que falar.