Diversity Report: a representação de cores, gêneros, corpos e idades nas passarelas brasileiras

/

por Mirrorage

Em março deste ano, a indústria internacional da moda se viu finalmente associada ao termo diversidades em noticiário positivo. The Fashion Spot anunciava que, juntas, Nova York, Londres, Paris e Milão haviam feito da Fall 2018 a temporada de desfiles mais racialmente diversa da história. O percentual de 32.5% de participação de modelos não-brancos nos desfiles ecoou em artigos de revistas e plataformas do mundo inteiro. E a temporada internacional acabava com Anok Yai, imigrante do Sudão, como a primeira model of color a abrir um show da Prada em vinte anos. Chegada a vez brasileira de exibir as criações de seus mais importantes designers, foi realizada na última semana a edição n45 da São Paulo Fashion Week. Durante toda a semana, a recém-lançada plataforma de criação Mirrorage pesquisou a participação de modelos não-brancos, transgênero, plus-size e de meia-idade em cada um dos 33 desfiles do evento. A pesquisa teve como objetivo documentar a participação percentual desses grupos e ilustrar a performance de inclusão da SPFW em relação as principais capitais internacionais da moda.

O Diversity Report: SPFW n45 mostra que a semana brasileira também apresenta certa evolução no percentual de participação de modelos considerados não-brancos nos desfiles. Das 1053 aparições de modelos durante o evento, 278 foram contabilizados no grupo de models of color, representando a participação de 26.6%. O percentual é maior em relação às edições n44 (20.5%) e n43 (21%) da SPFW, mas ainda revela uma posição emergente do evento brasileiro no mapa de inclusão nos desfiles das principais grifes do mundo.

Apesar da evolução, a SPFW ainda mostra ter um longo caminho a percorrer em inclusão de diversidades. O evento fica em último lugar se compararmos com as semanas de moda internacionais, atrás de Milão (27.1%), Paris (31.1%), Londres (34.5%) e Nova York, que com o percentual de 37.3% de modelos não-brancos desfilando, se estabelece como a fashion week mais inclusiva do mundo.  Marcas como Gypsy Sport, Chromat, Jeremy Scott e Eckhaus Latta trabalham com castings alternativos e desfilam coleções em altos níveis de diversidade étnica.

Apesar de minoria, modelos não-brancos abriram mais da metade dos shows da SPFW.

Em São Paulo, os desfiles com a maior participação de modelos não-brancos foram das marcas MEMO (92.3%),  Lenny Niemayer (64.5%), João Pimenta Feminino (60.8%), Projeto Ponto Firme (58.3%) e Beira (45.4%), esses dois últimos parte da renovação do evento. Os castings mais inclusivos eram vistos, desde 2016, nos desfiles da LAB Fantasma, empreitada criativa de Emicida e seu irmão, Evandro Fióti. A marca, no entanto, decidiu não participar da última edição do evento.

Os desfiles com a menor participação de modelos não-brancos foram Gloria Coelho com três de 58 modelos (5%), Água de Coco por Liana Tomaz com nove de 46(9%), Amir Slama com seis de 60 modelos (10%), Fernanda Yamamoto com quatro de 34 modelos (11.7%) e Osklen com sete de 42 modelos (16,6%). Fora do line-up oficial do evento nesta edição, Vitorino Campos teve os castings menos inclusivos de duas temporadas passadas. Na n43 foram apenas dois de 24 modelos (8.3%) e na 44 nenhum (0%).

TRANS VISIBILITY

Celebrar a SPFW como gender inclusive seria esforço, porém o grupo tem visto significante avanço em participação no evento. Foram contabilizadas 19 aparições de modelos transgênero durante a semana. Se em diversidade étnica a fashion week brasileira fica em último lugar entre outras capitais, no assunto inclusão de corpos transgênero nos castings São Paulo se mostra mais inclusiva que Milão (7), Londres (10) e Paris (14), ficando atrás apenas de Nova York, que contabilizou 33 aparições de modelos trans na última temporada.

Destaque na edição, a modelo paulista Marcela Thomé foi mandada para as passarelas por sete designers diferentes, aproximando-se de alcançar o ranking de tops da temporada, que contabiliza modelos com mais de dez desfiles. Marcela teve aparições em Água de Coco, Amir Slama, Lenny Niemeyer, Lino Villaventura, Ronaldo Fraga e Juliana Jabour. Em outro destaque, foi contabilizada a aprição de um modelo homem trans no desfile da Amapô. 21 marcas, no entanto, produziram castings sem a inclusão de nenhum modelo transgênero.  

Transgender model Marcela Thomé foi destaque na temporada, com sete desfiles

PLUS SIZE

Modelos com manequim acima de 44 apareceram 12 vezes durante a semana nos desfiles de Água de Coco por Liana Thomaz (1), Modem (1), MEMO (2), Lino Villaventura (1), Amapô (3) e Fernanda Yamamoto, que mandou quatro asiáticas plus-size para a sua passarela. Apesar de tímida, a performance de São Paulo em inclusão de diversidade de corpos nos desfiles é esmagadora em relação às demais capitais internacionais, que, juntas, tiveram apenas apenas 30 aparições de plus-size models durante a Fall 2018; 27 delas em Nova York.

Agua de Coco

MIDDLE-AGE

A São Paulo Fashion Week aparece pela primeira vez a frente de Nova York, Londres, Paris e Milão em participação de modelos com idades avançadas nos desfiles. Homens e mulheres em seus 40s, 50s ou 60s apareceram 19 vezes no evento finalizado na última semana. O número também foi impulsionado pela estilista Fernanda Yamamoto, que trouxe dez modelos de meia-idade em sua apresentação. A top catarinense Ana Claudia Michels, de 36 anos, foi mandada grávida para a passarela de Água de Coco e a apresentadora brasileira Marília Grabriela desfilou dois looks da coleção de Ronaldo Fraga. 

Fernanda Yamamoto

A última edição da São Paulo Fashion Week mostrou que o evento pode estar às vésperas de surpreender com mais diversidade e inclusão, mas ainda sofre com culturas de direção coladas em marcas antigas. Poucas marcas, representantes de uma renovação, concentram a maior parte da inclusão. Em tempos de street casting, non-models casting e genderless fashion design, é utopia acreditar que grandes marcas com comportamento normativo possam oferecer futuro promissor à moda brasileira.

@mirrorage + diversity report spfwn45 teve como inspiração a iniciativa de @moremodelsofcolor, que mapeando a participação de modelos não-brancos nos desfiles das principais capitais da moda no mundo.

agradecimentos @moremodelsofcolor @thefashionspotofficial @alinadorzbacher 

todas as fotos: ag fotosite

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.

Produtos recuperáveis: o futuro da economia está no lixo

Lowsumerism

O peso do extrativismo denuncia um futuro com escassez de matérias de origem mineral, vegetal e animal. Mas e se interrompêssemos a extração e a produção de matérias primas imediatamente? Por quanto tempo poderíamos usar nosso lixo para produzir aquilo que consumimos? Conheça as iniciativas que jogam luz naquilo que será o produto do futuro: desenhado para aproveitar integralmente sua matéria prima, e que possa voltar para o topo da cadeia de produção.

Representatividade política: 7 aprendizados para levar às urnas

Sonho Brasileiro

A cultura política aumentou e a conscientização dos jovens sobre sua importância é crescente. O túnel dos próximos anos pode ser escuro e longo, mas neste túnel há luzes que para a maioria são imperceptíveis. É hora de começarmos a nos ver em políticos que, de verdade, nos representam.