O corretor imobiliário precisa de outros “dados”

/

por Fabio Lafa

Já parou para olhar o aumento de “convites” para novos imóveis, seja para compra ou locação? E, mais: a abordagem dessas ofertas deixou pra trás as caixas de e-mail ou ligações telefônicas, para chegar até nós de forma certeira: nas nossas timelines. Seguindo a lógica da regra: tarefas sequenciais podem ser perfeitamente processadas e melhoradas com a inteligência artificial na gestão dos dados que geramos

Sair da casa dos pais, precisar de um cômodo a mais (para o escritório do negócio próprio ou para o bebê que vai chegar), ter um deslocamento menor para o trabalho, roommate que volta para a cidade natal. São várias as razões que pedem movimento a nós, aos nossos parentes ou colegas de trabalho nessa nossa vida urbana atrás de um imóvel menor ou maior, térreo ou vertical; sabemos o quão delicado é esse momento de achar um novo lugar que tenha a nossa cara.

Hoje, o tal big data pode ser usado em setores completamente diferentes, mas se você está fazendo perguntas como – qual é o potencial do Big Data no setor imobiliário? Por que a análise de dados é necessária e quais são suas vantagens? Vamos falar sobre alguns desses aspectos aqui.

 

 

Revolução no mercado imobiliário

Dando um passo atrás, todos entendemos que a análise de dados pode mudar para melhor a gestão de orçamentos, expansão e recursos patrimoniais e humanos de qualquer segmento. O mercado imobiliário comercial por sua vez, atingirá um patamar consideravelmente elevado com um novo e diferente conjunto de serviços prestados.

Na verdade, alguns países já começaram a aplicar a inteligência de dados para gerenciar, avaliar e monitorar o campo imobiliário. O novo processo automatiza a análise de volumes de dados.

Existem muitas maneiras de como o big data pode ser usado no setor imobiliário.

Primeiro, o big data ajuda os clientes e corretores de imóveis a encontrar rapidamente um edifício apropriado com os parâmetros estabelecidos; Além disso, o big data permite que os clientes avaliem quão lucrativa será a compra de uma casa ou apartamento.

A capacidades do machine learning também entra muito bem – com uma enorme quantidade de dados agora pode ser analisada e processada muito mais rapidamente.

Na verdade, o big data no campo imobiliário torna o fluxo de trabalho mais rápido e eficiente. Aliás, novas tecnologias também permitem que incorporadoras de edifícios encontrem um bom local para construir uma nova casa a partir do zero.

Será uma opção melhor se destacarmos cada vantagem separadamente para definir um benefício total do uso de big data no setor imobiliário.

 

Cada vez menos riscos para todas as partes

O mercado imobiliário está intimamente ligado aos riscos, e é muito importante que os especialistas não decepcionem seus clientes. Redução de riscos financeiros para locadores, locatários e incorporadoras ocupa uma das primeiras posições nesta lista.

A análise preditiva vem para o resgate. Empresas imobiliárias podem usar análise preditiva para analisar a condição do edifício, considerando todas as nuances, sua idade, informações sobre o proprietário e assim por diante. Dadas todas as capacidades, os especialistas podem fornecer ao comprador informações detalhadas sobre uma casa sem pontos escuros.

Opções como varanda, metragem de quintal, piscina e portaria tomam um outro patamar de importância com os dados. Será muito mais importante levar essas questões em consideração – e claro, em torno do mercado imobiliário outros ramos passam a participar de forma mais incisiva, como as seguradoras, a indústria de varejo de materiais para construção e marcenaria e as seguradoras usando esses dados de forme indireta para seus movimentos de aplicação de recursos e expansão e, enquanto essas fendas de processo não forem preenchidas pelos detentores das grandes fatias, os famosos unicórnios, que são as startups preocupadas no processo e não no resultado, nascerão e crescerão. O que também é o pano de fundo para o próximo tópico:

 

Clientes se tornam mais engajados

A análise preditiva ajuda os corretores imobiliários a entender melhor os clientes e fornecer serviços que realmente precisam. Algoritmos especiais podem coletar os dados e requisitos de cada cliente para fornecer a todos eles uma oferta pessoal. Assim, o engajamento dos clientes se torna mais forte e aumenta a confiança para as empresas do setor imobiliário.

 

Avaliações precisas

Infelizmente, quando as pessoas compram uma casa, elas podem receber informações incompletas, o que leva a um mal-entendido e o fechamento da negociação pode ser prejudicado. As ferramentas analíticas que usam big data ajudam a fazer avaliações precisas e mostram aos clientes um preço real para esse ou outro prédio. Além disso, o big data permite que os agentes coletem outras informações úteis sobre um distrito, bairro, para que os clientes tenham todas as informações que desejam saber. Como resultado, se o preço é real e é estimado considerando todos os fatores acima, ambas as partes obtêm seu lucro. Bingo!

 

Inteligência artificial que pode tomar decisões

Algoritmos de machine learning também melhoram o processamento de dados e o aceleram em algumas poucas vezes. Processos de negócios tornam-se mais transparentes, e negociadores com olhar unicamente no lucro desgrudados das vantagens para ambos os lados tendem a cada vez mais sair do jogo. Inteligências artificiais selecionam informações reais para o período de tempo indicado, e tomam uma decisão ideal com base em todas as opções possíveis. Os algoritmos devem ser integrados durante o desenvolvimento de aplicações imobiliárias. O jogo injusto é impossível, o negócio justo vem em primeiro lugar e é implementado devido às novas tecnologias.

 

Enfim, estratégias de marketing com resultado

O lado de marketing de um negócio imobiliário também se melhora. Os agentes imobiliários geralmente monitoram as redes sociais para coletar mais informações sobre um cliente e os algoritmos de big data os ajudam a extrair todas as informações com mais rapidez e precisão. Quando os agentes obtêm todas as informações de que precisam, eles podem contatar uma pessoa no momento certo e fazer uma oferta lucrativa e tentadora. Além disso, os agentes imobiliários sempre têm todos os preços que são reais para um período de tempo, e o big data não desempenha o último papel nesse processo.

Entendendo aqui que, novamente, inteligências não humanas apenas mudam etapas e processos dos mercados, mas dispensam em várias etapas a expertise humana. Nossa força de trabalho nesse ponto, com nossa capacidade de análise associado a apostas de novos mercados, a empatia aplicada a essas negociações ainda será uma das peças importantes nessa relação.

Para nós aqui no Brasil e em vários mercados, a questão da segurança no processo de pagamento, como em tudo o que consumimos, ainda precisa de mais olhares. A experiência de compra, fonte de várias pautas em todas as reunões nas empresas, precisa logicamente de incrementos, tecnologia e legislação – mas acreditamos que isso acompanhará a velocidade da tecnologia para que a solução seja entregue e incrementada de forma sincronizada.

Interessante é: percamos o receio com a ciência de dados e estendamos a satisfação que temos em receber a promoção do sabor de pizza predileto e, utilizemos da ciência de dados para que negociemos de forma mais precisa, barata e satisfatória.

Não esqueça de favoritar aquele imóvel que passou pelo Instagram. Pode ser realmente a sua cara!

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Publicidade lowsumer: cultura de cuidado disseminada pela propaganda

Lowsumerism

Seria a publicidade a grande vilã responsável por desencadear o consumismo que está devastando as pessoas e o planeta? Não é bem assim. É possível pensar o consumo, a publicidade e seu significado simbólico por outra perspectiva. Campanhas publicitárias passam a incorporar novos códigos contemporâneos que fazem emergir uma cultura de cuidado: é hora de abordar consumidores com respeito em relação ao novo modo de enxergar o consumo.

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.

O declínio do conceito de sigilo na moda

Unfashion

A internet e a informação moldam o posicionamento das marcas de moda para além do marketing. Logo, palavras antes diretamente associadas a este universo, como “exclusividade” e “confidencialidade” não mais definem o cenário atual. O público e os consumidores demandam transparência, e a moda tateia novas diretrizes de exposição em busca de aproximação.