Tecnologia dentro do mais eficaz dos remédios: a música

/

Movimento entre start-ups, selos musicais e artistas em nome de uma experiência efetiva e focada no bem estar - uma proposta bem mais além daquela playlist relaxante.

por Fabio Lafa

Em face dos níveis crescentes de ansiedade e estresse, a música está redefinindo a maneira como abordamos o wellness. Seja para relaxar ou buscar, muitos de nós está se voltando para a música para guiar comportamento, modificar humor e nos preparar para resolver problemas cotidianos. Não só a música tem mostrado um efeito positivo ao praticarmos um exercício, nos  relacionamentos e na produtividade, mas 74% dos participantes de uma pesquisa da Sonos, uma empresa americana de equipamentos de áudio, disseram que ouvir música ajudou-os a reduzir o estresse.

“Muitas pessoas provavelmente não sabem o quanto confiam na música para regular seu humor ao longo do dia”, diz Daniel Müllensiefen , professor de psicologia musical da Universidade Goldsmiths, em Londres, em relação ao estudo. Ao mesmo tempo, essa mudança nos hábitos de escuta deu lugar ao surgimento de playlists criadas para tarefas ou atividades específicas, desde a corrida até dormir.

Para atender a essa nova demanda, artistas e marcas estão evoluindo. Coincidindo com o Dia Mundial do Sono, comemorado em 15 março, o produtor Moby lançou um álbum minimalista exclusivamente através do serviço de streaming de música dedicado ao relaxamento Calm – marcando a indústria da música em primeiro lugar. A coleção de seis faixas, Long Ambients 2, igual em estilo ao Long Ambients1: Calm. Sleep. , mas leva os ouvintes a uma jornada mais profunda e imersiva, com cada música durando cerca de 37 minutos. O grupo islandês Sigur Rós também colaborou com Calm para lançar uma playlist para dormir em julho, oferecendo uma alternativa digital para a incursão da banda em sound baths, termo derivado da meditação musical. Criada sob o braço de música ambiente de Sigur Rós , Liminal, a playlist combina música e meditação para um novo formato: a audição horizontal.

 

 Soundscapes personalizados

Com o aumento da demanda por música funcional, a indústria da música está despertando para seu papel potencial no wellness. No início deste ano, a startup de áudio Endel noticiou a parceria com a recém-criada divisão Arts Music da Warner Music Group, o lançamento de 20 álbuns na forma de condução de paisagens e cenários de bem estar através da música com duração de uma hora, para ajudar os ouvintes a dormir, focalizar e relaxar. Olha só: o primeiro contrato entre uma gravadora e uma inteligência artificial.

Mas os consumidores também podem aproveitar os benefícios da tecnologia da Endel por meio de seu aplicativo (disponível para iOS e Android), que usa inteligência artificial para gerar freqüências de som personalizadas para melhorar o humor ou sua produtividade. Essas faixas de áudio personalizadas respondem em tempo real às entradas do usuário, como horário e local, além de biometria, incluindo frequência cardíaca. Com base em suas necessidades, os usuários podem escolher entre quatro modos: dormir, relaxar, focar ou quando estiver muito ocupado. A coleção de 20 álbuns da Endel , que será lançada ao longo do ano, tem o mesmo tema em torno das mesmas quatro categorias.

“A chamada música funcional existe desde os anos 1970, quando Brian Eno, Steven Halpern e outros foram pioneiros em gêneros como a música ambiente e o new age” , disse Oleg Stavitsky , co-fundador e CEO da Endel. “Com novas tecnologias, empresas como a nossa são capazes de levar esses conceitos a outro nível e realizar todo o seu potencial. Estamos entrando na era de paisagens sonoras digitais adaptáveis ​​e personalizadas que melhorarão a vida das pessoas trabalhando em background.

Claro que temos já um modelo mental que a música nos relaxa ou nos impulsiona nas nossas atividades diárias mas, interessante pensar que além de um playlists, produções musicais e artistas já atentos às tendências e necessidades das pessoas, iniciativas como um acompanhamento de nosso astral, pressão sanguínea e picos de stress ao ocorrerem, podem muito bem nos ajudar modular nosso humor e sensações nessa sede quase que constante por simplesmente, nos sentir bem.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Feminismo na rede: arma de longo alcance

TRANScenGENDER

Fala-se muito sobre um tal “novo feminismo”, mas não é a primeira vez que este movimento passa por um boom midiático. Desta vez, sua grande aliada é a internet. Propício para a democracia e pluralidade de vozes, o ambiente digital faz com que a mensagem contra o sexismo ecoe da vanguarda até o mainstream, cada vez mais longe e com mais intensidade.

Representatividade criativa: 6 vozes que inspiram diálogos inclusivos

Unclassed

Na possibilidade de representar e incluir pessoas que ainda não ocupam o seu merecido lugar em campanhas e projetos, há bastante desafio. Justamente por ser tão desafiador, é também cenário potente para repensar a criatividade no Brasil. Para quem enxerga oportunidade nesse contexto, é fundamental compreender que, mais do que ter um discurso inclusivo, é preciso ter uma prática inclusiva, aproximando-se de pessoas que vivem essas realidades ainda pouco representadas.

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.