O SXSW acabou, mas não podemos perder essas bandas de vista

/

Após a infinidade de artistas no festival de música do SXSW que vimos e provavelmente não lembremos semana que vem, aproveitamos pra fazer um recorte aqui com a galera da Box para incrementar os seus algoritmos com lindos trabalhos.

por Fabio Lafa

Uma semana com palcos, bares e calçadas respirando música durante o SXSW. Oficialmente ou não na programação oficial, a cidade de Austin que é a meca das boas idéias nos States recebeu instrumentistas, cantores e DJs de todo o planeta e, talvez tenha sido o ano em que a música brasileira teve mais representantes – em quantidade e variedade de ritmos. Do mainstream ao experimental, nossa delegação entregou uma das melhores atrações de todo festival, atraindo curiosos e os fãs que cantaram os refrões em plenos pulmões; O que aconteceu em Austin não pode ficar em Austin. Vamos recapitular:

Mr Eazi

O nigeriano Oluwatosin Oluwole Ajibade é dos responsáveis em colocar a musicalidade do oeste africano fora da generalista world music e dando o tom ao famoso afrowave na Europa e América do Norte. Desafio real é ficar parado ao ouvir.

The Black Pumas

Aqui é questão de uma bela representação de pratas da casa. Em seu segundo ano consecutivo, a banda de psychodelic soul nascida em Austin, que traz todos os elementos dos músicos do sul dos States: Vocais bem embasados na sonoridade das igrejas batistas, um country rock inicialmente ácido aos ouvidos mas muito bem conversado entre guitarra, baixo e bateria. Um dos melhores shows de todo o festival diga-se de passagem.

Phony Ppl

Já que estamos falando de apostas, fica a dica da edição: A banda criada no coração do Brooklyn, New York traz tudo o que aquela região propicia. Garotos saem dos conservatórios musicais temperados com o hip hop e as influências da música caribenha que está em todas as calçadas. Não é mais uma banda cool que passou pelo NPR (inclusive, que apresentação!) mas a sensação é que é que a entrega em alto nível parece fácil.

Boogarins

Produto brasileiro facilmente encaixado em qualquer palco do mundo, a banda de Goiânia que desde 2012 saiu dos circuitos independentes para palcos gigantes do Privavera Sound de Barcelona e o Rock in Rio de Lisboa e em várias edições do SXSW. De verdade eles já são bem queridos dentro e fora do Brasil mas, caso você alguma vez tenha passado batido por alguma faixa, repense.

 

Waco Brothers

Mistura interessante. Com doses iguais de country e punk rock, a banda de Chicago entrega uma sonoridade agradável a quem gosta de um peso nas guitarras e dentro de uma sonoridade agradável e ao mesmo tempo discurso de questionamento às bases do conservadorismo americano. Super válido.

 

Dillon Cooper

O rapper Dillon Cooper natural de Crown Heights, Brooklyn (não se sabe o que tem na água de lá) já está tomando o mundo pela tempestade com sua surpreendente combinação de bons beats do atual trap e leituras do boom-bap noventista, sagacidade das rimas. Vindo do prestigioso Berklee College of Music, em Boston, ele não é apenas um rapper, mas um músico sério que tocava piano quando criança, antes de pegar o violão com apenas sete anos de idade. Há quem questione rappers do Soundcloud, vai entender. Não o perca de vista.

 

Delaporte

O duo de eletro-pop formado pela espanhola Sandra Delaporte e o italiano Sergio Salvi inspira-se em todos os gêneros e sons, do pop, R&B, soul e referências mais tropicais.

 

SASAMI

Sasami Ashworth em trabalho solo após sua saída da banda indie Cherry Glazerr mostra a que veio. Gênio dos teclados, baixo e guitarra, ela tocou no palco da colab entre a Nylon, bombada da moda e comportamento e She Shreds Magazine, que fala sobre mulheres que tocam instrumentos de corda.

 

Leikelli47

E falando em GRLPWR, vimos uma garota com uma banda no rosto entrar agressiva no palco, de métrica afiada e discurso a contra a teimosia do rap em colocar o gênero antes do talento. Há quem a coloque como a versão feminina de MF Doom. Talvez ela seja a evolução dessa textura de rima e presença de palco.

 

Desorden Publico

E uma ressalva também a quem não pode estar no palco, principalmente por motivos de guerra. A banda de ska venezuelana com receio de deixar seus familiares à mercê de que está acontecendo no país acabou declinando do festival, mas nem por isso não pode deixar de ser citada, e as lideranças de comunicação do festival não deixaram de ressaltar, colocando mais uma vez o engajamento político como um pilar importante do evento.

 

Agora com todos esses talentos, fica a nossa visão do que foi um das maiores iniciativas de música, cinema e criatividade em âmbito global. Muitos outros caras passaram pelo festival e, se você lembra de algum fique livre pra dividir conosco. Boa semana!

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.

Comunicação e igualdade de gênero: além da estratégia publicitária

TRANScenGENDER

Campanhas sexistas têm sido alvo constante de denúncias e maculado a imagem de marcas tradicionais. Cada vez mais, igualdade de gênero é uma questão que impacta nas escolhas de consumo: é hora das marcas ajudarem a libertar as mulheres sem criar novos estereótipos de mulheres-modelo. Mais do que abordar o empoderamento como estratégia publicitária, é preciso abraçar o assunto de um jeito verdadeiro, palpável e honesto.

O espírito punk do movimento Do It Yourself

Lowsumerism

Foi com o movimento punk, que partia de uma ética que fugia do espectro do consumismo cada vez mais visível na vida em sociedade, que o DIY se difundiu, desde então com crescente relevância. Em essência, tanto o punk quanto o DIY enfatizam uma relação de maior intimidade com nosso consumo pessoal. Cada vez mais conscientes do impacto humano em nosso ethos, existe uma grande parcela de indivíduos que já aderiu, de uma forma ou outra, ao espírito punk presente no método “faça você mesmo”.