Dois jogos sobre a Revolta dos Malês

Playing Reality

No dia 25 de janeiro de 1835 uma rebelião de escravizados eclodiu na Bahia. No escuro das primeiras horas da madrugada, talvez fosse difícil distinguir as dezenas de túnicas brancas que corriam pelas pedras irregulares do calçamento das ruas de Salvador. Os homens que as vestiam carregavam facões, porretes e algumas armas de fogo. Corriam…

Tecnologia dentro do mais eficaz dos remédios: a música

Music Trends

Em face dos níveis crescentes de ansiedade e estresse, a música está redefinindo a maneira como abordamos o wellness. Seja para relaxar ou buscar, muitos de nós está se voltando para a música para guiar comportamento, modificar humor e nos preparar para resolver problemas cotidianos. Não só a música tem mostrado um efeito positivo ao praticarmos…

A confiança e o poder da autoinfluência

ACTRULY

Após a prévio aviso sobre a retirada da visualização dos likes no Instagram, todo o mercado foi afetado – funções e funcionalidades, parceiros e parcerias, fluxo e principalmente o propósito na experiência dos usuários foi transformada. Sendo para fins recreativos ou profissionais, todos recebemos um convite para algo ainda maior: na mecânica da influência, repensar…

Inteligência artificial e o futuro do trabalho: tenhamos calma e também foco.

ACTRULY

As já conhecidas e não comentadas “novas tecnologias” no nosso cotidiano, e o incremento delas no nosso dia a dia. Como usuários nas áreas de entretenimento, nos bens de consumo, serviços como aquele self-checkout de supermercado (que nós brasileiros fazemos ainda com sorriso amarelo de vergonha quando viajamos para o exterior) e aquele link patrocinado…

O algoritmo entende de música?

Music Trends

Vamos continuar com um dos fascinantes temas do SXSW esse ano, “O valor da toque humano na curadoria musical”, e lembramos de uma pauta que é quase um bode na sala para todos nós: Algoritmos nas plataformas de música. Todos usamos, estamos separados entre amar e odiar a intervenção de inteligências não-humanas através do algoritmo,…

Arquivos perdidos do Ponto: Comportamento dualista digital

Playing Reality

Vamos dividir uma verdade com vocês: nós, daqui,  ficamos sempre na expectativa de vivenciar todas todas as nossas apostas de futuro. Uma carga robusta de levantamentos e estudos que nos levaram a entregar o True Gen para vocês e, nos deparamos com uma provocação muito interessante da Lydia Caldana lá de 2015, onde as primeiras…

Música em 8D: A conversa após a euforia

Music Trends

Nas últimas semanas, foi viralizado via WhatsApp um audio acompanhado dos dizeres “Escutem essa musica em anexo com fone de ouvido. É a nova música do A. R. Rahman composta em tecnologia * 8D * * Ouça apenas usando fones de ouvido * É a primeira vez que você vai ouvir uma música com a…

Cidadania intermediada e o compromisso com a privacidade

Microeconomias

Dizer que a defesa do direito à privacidade é coisa do passado tornou-se comum nos corredores corporativos. Ora, as maravilhas proporcionadas pelo desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação surgiram intimamente ligadas à indústria da publicidade digital, que funciona a partir da coleta e processamento de dados pessoais para posterior venda de espaço publicitário personalizado…

Um novo tipo de moeda: a economia da emoção

Microeconomias

Conforme a análise de dados e a inteligência artificial evoluem para além do rastreamento de respostas para as perguntas mais básicas (Quem? O quê? Quando? Onde?), a computação afetiva continuará a ganhar espaço. Os consumidores em breve vão estar lidando com um afluxo de assistentes inteligentes e emotivos que vão revolucionar a forma como interagimos com a tecnologia. A era da emoção está prestes a transformar tudo o que entendemos sobre a relação homem/máquina.

O declínio do conceito de sigilo na moda

Unfashion

A internet e a informação moldam o posicionamento das marcas de moda para além do marketing. Logo, palavras antes diretamente associadas a este universo, como “exclusividade” e “confidencialidade” não mais definem o cenário atual. O público e os consumidores demandam transparência, e a moda tateia novas diretrizes de exposição em busca de aproximação.

Conservadores, migrantes e nativos: as gerações e a internet

Youth Mode

Atualmente, seis gerações convivem na nossa sociedade ocidental. Cada uma delas é influenciada por contextos — social, político, econômico, ambiental e tecnológico — que impactam diretamente em como irá se expressar. Um marco histórico, no entanto, mudou como todos se comportam e, inclusive, como nosso sistema cognitivo se constrói: a internet.

Fantasia, tecnologia e narrativas pós-humanas

Playing Reality

A ficção científica tem uma capacidade imaginativa que nos impulsiona a moldar o desenvolvimento do mundo em que vivemos. Tudo pode parecer muito longe do nosso alcance, mas já estão entre nós máquinas que ultrapassam ou se equiparam à capacidade da inteligência humana. Novos recursos da tecnologia e neurociência nos convidam a questionar a própria essência do que constitui a vida.

Crise de confiança: a velha política na era da hiperconexão

 

É possível a vida em sociedade sem desigualdade? Ou é natural, é necessário que alguns poucos mandem e guardem privilégios? São questões que nos acompanham desde a Grécia Antiga e que agora acessam um novo capítulo com uma poderosa personagem chamada tecnologia digital. Como pôde a tecnologia, que conecta todo o mundo, ter agravado a desconfiança?

Intermediários eliminados: o potencial do Blockchain para desencadear o futuro

Playing Reality

Vivemos na transição entre o fim do atual modelo econômico e o despertar de novas economias. Acesso, comunidade, propósito, reputação, transparência, confiança: são bases para, a partir das tecnologias que evoluem exponencialmente, construirmos uma nova forma de realizar transações — sejam elas financeiras ou não. Eis o Blockchain.

Ética em inteligência artificial e o futuro da humanidade

Playing Reality

A inteligência artificial e as máquinas dotadas com esse recurso — robôs, bots, drones, veículos autônomos, membros artificiais e até mesmo seu smartphone — nos convidam a questionar a própria essência do que constitui a vida. Essas máquinas são estranhamente familiares porque nos imitam. Seus recursos são programados com base na nossa visão de mundo e autopercepção, e tudo isso está sendo feito a uma velocidade impressionante, impregnando a cultura e até mesmo os nossos conceitos de beleza e estética.

Realidade mista: amálgama de tecnologias cria virtualidades reais

Playing Reality

Ao longo dos últimos anos, vivemos um crescimento exponencial do uso dos meios pelos quais interagimos — e imergimos — em ambientes digitais. O próximo passo dessa evolução pode nos levar a não mais diferenciar em qual destas múltiplas realidades estaremos vivendo.

Tecnologia e governo: o futuro da democracia no SXSW 2016

Sonho Brasileiro

Entramos na democracia digital e o caminho é sem volta: os governos precisam passar a ver a tecnologia como ponto de partida para todas suas ações. Novas tecnologias e os inovadores por trás delas ressignificam processos e apontam para um amadurecimento democrático, que chega a novas pessoas e de forma profunda e complexa.

Tecnologia além do binarismo: ele, ela ou ciborgue?

Playing Reality

Na tecno-cultura contemporânea, envelhecem as tecnologias que incorporam valores dualistas e utilizam-se de estereótipos depreciativos. Em seu lugar, brilham experimentações que virtualizam a identidade humana e expandem a multiplicidade das representações. O desenvolvimento biotecnológico enxerga o gênero como uma restrição limitadora para o potencial humano.

Tecnologia e gênero: o futuro aponta para a neutralidade

TRANScenGENDER

Em uma sociedade pré-digital, a diferença estética entre os sexos podia até fazer sentido. Porém, hoje vivemos padrões muito mais complexos de comportamento, que têm reflexos em diversos campos, incluindo a tecnologia. Está por vir uma realidade mais compatível com nós mesmos, que não pode ser categorizada, reflexo da cyber era da desmaterialização.

A lógica do descarte desafiada pela indústria de eletrônicos

Lowsumerism

Dada a noção de consumo consciente que emerge em nossa sociedade, a tendência é que os produtos admiráveis — ou revolucionários — do futuro próximo serão aqueles capazes de traduzir nosso desejo por objetos duráveis, capazes de desafiar a lógica do descarte. A tecnologia modular questiona a validade do ciclo acelerado de produção e consumo de eletrônicos, barrando os vícios da obsolescência programada.

Economia colaborativa e a expansão do eu

Lowsumerism

Acompanhando a liquidez da pós-modernidade, desponta a economia compartilhada. Ao termos acesso a mais coisas, e sendo elas ainda mais descartáveis, criamos uma identidade exponencialmente mais fluída, mais compatível com nós mesmos. Não somos o que temos, mas o que acessamos.

Zero Waste: o futuro da consciência ambiental

Lowsumerism

A forma como a sociedade encara seus deveres em relação ao meio ambiente mostra sinais de que ela está passando por uma importante e complexa transformação. Os anos de repetição do mesmo manual de “cidadão sustentável” estão chegando ao fim. O modelo em que tudo é descartável começa a sair de cena e dá lugar aos projetos de “zero waste”, ou “lixo zero”.

Wearables: tecnologia sensível à moda

Playing Reality

Em um mundo dominado pela metrificação, os wearables estão fazendo diferente, criando conteúdo de qualidade através da valorização do sentimento. À medida que a tecnologia se lança em novas ambições para ser mais intuitiva, há uma movimentação natural em direção à moda. A expectativa é de que moda e tecnologia fundam-se a fim de trazer um frescor de benefício mútuo.

Realidade imersiva e o futuro do pornô

Playing Reality

A interação passa a ser parte fundamental da pornografia: as pessoas querem ser protagonistas, e não apenas voyeurs de suas fantasias. Novas tecnologias estão viabilizando este estreitamento entre fantasia e interatividade, rompendo com o modo como se consome pornô e se encara sexo.

Conflitos reais em dramas interativos

Playing Reality

Uma nova safra de games tem colocado em xeque o conceito de que que jogos são apenas sobre ganhar pontos, competir e completar missões. Os chamados “dramas interativos” têm um objetivo maior que o entretenimento, fazendo o jogador refletir e expandir sua mente para temas duros, que trazem à tona seu lado mais obscuro.

Inacessibilidade como expressão de luxo

Quiet Bliss

Foco e contemplação são características pouco presentes nessa geração, que cresceu em um contexto multitasking e tem como comportamento vigente a ausência de linearidade: um reflexo da Internet. Porém, uma crescente minoria se convence de que criatividade e atenção são irmãs siamesas. Hoje, observa-se um contra-movimento comportamental que prega o monotasking como a solução para uma vida com mais memórias, saúde e dedicação.

A ascensão dos poking games

Smart Trolling

A desinibição aliada à tecnologia mobile causou a ascenção dos apps sexuais. O ritmo rápido da paquera fez da busca por um parceiro algo parecido com uma ida ao supermercado. Essas brincadeiras compõem uma nova linguagem de conquista, abrindo brechas nas quais a trollagem se infiltra, tornando imperceptíveis as nuances que diferenciam o que é piada e o que é sedução.

Carne, ossos e componentes eletrônicos

Playing Reality

A inteligência artificial e os ciborgues são a expressão mais extrema da conciliação entre máquinas e nosso cotidiano. O homem contemporâneo tem alto poder de transformação. Ele é de carne, osso e, se assim desejar, de componentes eletrônicos. Ao contrário do que se pode pensar, o cenário em que vivem os ciborgues não é um clichê prateado futurístico.

Sobreposição de realidades

Playing Reality

O princípio comportamental e estético que caracteriza os tempos digitais se chama Databending. Trata-se da sobreposição de camadas de dados que altera significativamente a forma como a realidade é vista e manipulada. Esse movimento provoca a refletir sobre como a mistura de linguagens e universos gera um mundo mais interessante, exatamente porque ele se encontra na fissura entre o real e o imaginário.

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.