As fronteiras da linguagem minimalista

/

A comunicação minimalista dos emojis propõe um novo paradigma linguístico em um mundo onde uma imagem vale mais do que 140 caracteres

por Sophie Secaf

A origem da comunicação humana é, ainda hoje, um dos maiores desafios da ciência da linguística. Existem várias teorias sobre por que começamos a nos comunicar, mas ninguém sabe ao certo o que nos levou a desenvolver esta habilidade. De gestos a pigmentos, das prensas tipográficas à Internet, nossa capacidade de criar e interpretar símbolos mudou a forma como nós vivemos, além de nos fornecer novas maneiras de lidar com um mundo imprevisível.

minimal communication

Desde o primeiro momento em que a comunicação se manifestou entre os seres humanos, a eficiência deste processo passou a ser um objetivo. Com as novas tecnologias tornando-se cada vez mais acessíveis, hoje é possível atingir uma sofisticação nunca antes imaginada. No mundo de hoje, hiper ocupado, conectado e plural, a comunicação minimalista ocupa um espaço cada vez maior, desde o fenômeno cultural dos emojis à preferência por mensagens de texto no lugar de ligações telefônicas. Vivemos numa lógica comunicacional que carrega a compressão do máximo de significado em um mínimo de representação simbólica.

O cinema preparou o terreno para uma comunicação mais imagética, pois turbinou a nossa capacidade de interpretar este tipo de linguagem. Devido à importância cultural que o cinema atingiu ao longo do século XX, o nosso cérebro exercitou a capacidade de interpretar, além da linguagem em imagens, uma linguagem baseada em elipses. A edição nos acostumou a compreender a mensagem através de apenas alguns fragmentos.

Efeito Kuleshov
Efeito Kuleshov

As tecnologias evoluíram em velocidade exponencial a partir do século XX, e o formato de linguagem precisou acompanhar essas mudanças. A fragmentação da linguagem hoje é tão profunda que uma única imagem pode ser muito mais precisa que um parágrafo inteiro. Postar uma foto de uma pessoa cansada pode ser a forma mais eficiente de dizer para seus amigos que você não vai mais conseguir sair porque está preso no trabalho. Comunicar muita coisa não é comunicar em quantidade.

app yo

Prova disso é o sucesso do Yo, um aplicativo de troca de mensagens em que o único recado permitido é “Yo!”. Apesar de ser inicialmente visto como uma piada, o app já teve mais de um milhão de downloads, e 15 Yos são mandados por segundo no mundo. O antropólogo Bronislaw Malinowski descreve esse tipo de interação como uma “expressão fática”, um tipo de comunicação que executa uma tarefa social em vez de transmitir uma informação – por exemplo, o simples lembrete de que alguém está pensando em você.

A antropóloga cultural Mimi Ito explica o sucesso do Yo através do desejo inerente ao ser humano de se conectar e estar conectado, mesmo que em níveis mínimos. Consumidores estão buscando oportunidades para se comunicar de uma maneira mais emocional e divertida, para pular o “small talk” mas não perder a oportunidade de mandar sentimentos.

Isso explica a consolidação da tendência de se comunicar apenas por imagens, a ponto de existir uma rede social apenas de emojis, a Emojili, que com dois dias de vida já tinha mais de 50 mil usuários.

Outro exemplo interessante do sucesso da comunicação minimalista é o casal americano que, em agosto de 2014, decidiu se comunicar apenas por emojis por um mês como uma forma de tentar melhorar o casamento. No final do mês, a mulher declarou que se sentiu mais amada ao receber emojis com afeto do que quando recebia um simples “eu te amo” de seu marido.

Alex: Estou indo para casa. Liza: Eu estou com uma amiga e ela teve uma morte na família, não venha beber com a gente. Alex: Eu vou beber com outras pessoas.
Alex: Estou indo para casa. Liza: Eu estou com uma amiga e ela teve uma morte na família, não venha beber com a gente. Alex: Eu vou beber com outras pessoas.

To emoji or not to emoji

“Emoji” vem da palavra japonesa para “pictográfico”. Os emojis foram criados para serem expressivos o suficiente para substituir palavras e frases, simbolizando objetos, sentimentos, expressões e ideias do dia a dia. Suas cores e designs foram absorvidos pela cultura pop, fazendo deles um terreno fértil para pesquisa e experimentação por acadêmicos e artistas, ganhando o patamar de linguagem.

No final de 2013, a primeira exposição artística só de emojis aconteceu em Nova Iorque. Na mesma éppoca, Katy Perry lançou um “emoji lyric video” do seu hit “Roar”. Em fevereiro de 2014, uma versão do livro Moby Dick escrita com emojis em vez de palavras foi aceito no acervo do Library of Congress, um verdadeiro marco na aceitação desse tipo de comunicação como linguagem contemporânea. Chamado Emoji Dick, o projeto captou recursos através de uma campanha no Kickstarter.

emoji dick
Há dez anos, a ideia de que opiniões poderiam ser condensadas em tweets de 140 caractéres era inconcebível. Hoje, um único emoji pode transmitir a mesma informação e ainda ser compreendido em qualquer lugar do mundo, o que pode classificá-lo como linguagem universal.

A grande adesão ao Gif Keyboard, uma extensão para os teclados do iOS 8 apenas com emojis retirados de GIFs famosos, é um exemplo claro e muito recente de como este tipo de comunicação está cada vez mais intrínseca na vida das pessoas.

Enquanto alguns defendem que a febre dos emojis não passa de uma manifestação do apetite insaciável dos Millennials por mensagens de texto, cultura pop e economia de tempo, outros argumentam que isso pode até significar um resgate da comunicação em hieróglifos. Independente da referência histórica, os emojis constituem uma línga pidgin, um ponto de encontro linguístico formado no ato da comunicação, e facilitado pela grande diversidade de símbolos.

A comunicação minimalista propõe um novo paradigma linguístico. Em um mundo de excessos, paira no ar a necessidade de criar uma linguagem capaz de dizer mais usando menos recursos e de uma forma mais democrática, criando inclusive novas possibilidades para a tão sonhada linguagem universal.

Versão resumida ×

Com as novas tecnologias tornando-se cada vez mais acessíveis, hoje é possível atingir uma sofisticação de linguagem nunca antes imaginada. Vivemos numa lógica comunicacional que carrega a compressão do máximo de significado em um mínimo de representação simbólica.

O cinema preparou o terreno para uma comunicação mais imagética, pois turbinou a nossa capacidade de interpretar este tipo de linguagem. A edição nos acostumou a compreender a mensagem através de apenas alguns fragmentos. E a fragmentação da linguagem hoje é tão profunda que uma única imagem pode ser muito mais precisa que um parágrafo inteiro. Comunicar muita coisa não é comunicar em quantidade.

Consumidores estão buscando oportunidades para se comunicar de uma maneira mais emocional e divertida, para pular o “small talk” mas não perder a oportunidade de mandar sentimentos, e o emoji é perfeito para isso. Um único emoji pode transmitir a mesma informação contida em 140 caracteres e ainda ser compreendido em qualquer lugar do mundo.

A comunicação minimalista propõe um novo paradigma linguístico. Em um mundo de excessos, paira no ar a necessidade de criar uma linguagem capaz de dizer mais usando menos recursos e de uma forma mais democrática, criando novas possibilidades para a tão sonhada linguagem universal.

Exibir texto integral

Vá Além

Como os emojis estão mudando o texto

A inserção dos emojis na linguagem foi tão impactante que o Unicode Consortium, um grupo que prevê o modo como texto é codificado em linguagem legível no computador, teve que adaptar suas propostas para tornar o padrão do emoji mais prático e inclusivo.

Emoji Tracker

Sim, existe um rastreador de emojis. Basicamente ele é uma tabela que conta quantas vezes cada símbolo foi usado no Twitter, piscando em tempo real toda vez que determinado emoji é escolhido e ordenado de forma a colocar no topo os mais populares.

Adesivos em mensagens de texto adicionam apelo artítico à expressão digital

Nem só de emoji vive a comunicação minimalista. O artista Floyd Hayes criou um projeto em que adesivos podem ser enviados em mensagens de texto. Mais detalhados e criativos que as carinhas, é possível atingir uma expressividade bem diferente. Outros designers podem inclusive submeter seus próprios adesivos e lucrar com eles, uma vez selecionados.

Comente

Mudando de assunto...

Pós-capitalismo e o consumo como statement

Lowsumerism

Em um mundo com menos dinheiro, mas mais tempo e mais acesso ao conhecimento, os valores não permanecem, nem poderiam permanecer, os mesmos. No lugar de bolsas com imensas estampas de marcas e, indiretamente, imensos indicativos de seus preços imensos, passamos a procurar empresas que estampem coisas com as quais realmente nos importamos. O consumo como statement aponta para consumidores que sabem o peso político de tudo que compram.

Afrofuturismo: sonho e concretização de futuros possíveis

Post Prejudice

Atualmente a principal questão que se apresenta aos afrodescendentes é a da representatividade. Nesta medida, o afrofuturismo oferece uma chave de entendimento que possibilita pensar um futuro com mais justiça para a população negra. É um modo de imaginar e construir futuros possíveis pela ótica cultural negra; um ponto de ligação entre imaginação, tecnologia, futuro e liberação.

Tecnologia além do binarismo: ele, ela ou ciborgue?

Playing Reality

Na tecno-cultura contemporânea, envelhecem as tecnologias que incorporam valores dualistas e utilizam-se de estereótipos depreciativos. Em seu lugar, brilham experimentações que virtualizam a identidade humana e expandem a multiplicidade das representações. O desenvolvimento biotecnológico enxerga o gênero como uma restrição limitadora para o potencial humano.