Ética como propulsora de um consumo elevado

/

O despertar do mercado de moda, que enfim passa a considerar o repúdio do público por escândalos que degradam a vida humana

por Eduardo Biz capa Matthew Genitempo

O consumo de moda vem sendo repensado e revisto. Questões éticas entram em jogo e começam a ser consideradas nas decisões de compra. Quando os males da indústria vem à tona, consumir passa a ser um ato consciente e político.

Nos últimos anos, o mundo vem se deparando com diversos casos de exploração do trabalho. São realidades que remetem diretamente à escravidão em vigor no Brasil no século XIX, envolvendo processos revoltantes como o tráfico de pessoas.

Em abril de 2013, um incêndio em Bangladesh revelou uma fábrica de roupas que, além de não cumprir os requisitos básicos de estrutura, se utilizava de trabalho escravo e infantil. Antes disso, em 2011, confecções da Zara no Brasil foram flagradas em condições precárias e análogas à escravidão. O problema entrou em pauta e deixou claro que o apetite desesperador pelo consumo estava ultrapassando os limites.

Antes prestigiadas, marcas nacionais queimam seus filmes

Ellus

Em uma recente edição da São Paulo Fashion Week, a Ellus ensaiou um protesto contra a burocracia no mercado têxtil no Brasil, uma tentativa de maquiar as acusações que vinha sofrendo de praticar escravidão em seu processo de confecção. Duramente criticado, o desfile mostrou que a ética na moda não funciona quando escancarada como forma de marketing: ao invés de levantados como bandeira, são valores silenciosos que devem ser intrínsecos ao dia a dia da empresa.

Cori, Luigi Bertolli e Emme também entraram no alvo dos fiscais do Ministério do Trabalho. Seus funcionários trabalhavam mais de 12 horas por dia, de segunda a sábado, recebendo R$4,00 por peça de roupa produzida. A M.Officer recebeu uma multa estimada em 160 mil reais, acusada de oferecer condições precárias aos funcionários de sua confecção em São Paulo.

Boas práticas abrem caminho para o consumo ético

O Greenpeace está liderando o movimento Detox, exigindo dos produtores uma moda menos tóxica ambientalmente. Meio milhão de pessoas estão envolvidas na tarefa de convencer grandes marcas a mudarem suas estratégicas de produção. Nike, Uniqlo e Benetton são algumas das empresas que já assinaram o manifesto, já GAP, American Apparel e Disney ainda não responderam aos pedidos.

Lutando contra o trabalho escravo e pela defesa de direitos sociais e ambientais, a organização Repórter Brasil desenvolveu, juntamente ao Ministério do Trabalho, o app Moda Livre, que cria um ranking de empresas de moda tendo como base as denúncias que elas já receberam. O aplicativo, disponível para Android e iOs, analisa a postura de cada marca e revela seus dados de uma maneira bastante transparente e honesta. Uma iniciativa exemplar.

Honest By

Seguindo a mesma política de transparência e sinceridade, uma loja de Londres chamada Honest By propõe um formato surpreendente para a venda de suas peças. No site, é possível analisar em detalhes a descrição do preço e descobrir quanto foi gasto na produção daquela roupa, revelando os custos do tecido, mão de obra, aviamentos, bem como quanto está sendo gerado de lucro para a empresa. Além disso, o catálogo é dividido por roupas orgânicas, veganas, skin friendly ou recicladas: uma rica inspiração para o futuro do varejo.

Aqui no Brasil, o Programa Orgânico Coexis criou o Selo Now, uma certificação orgânica da roupa. O selo não só garante o uso de matérias primas como algodão orgânico ou corantes naturais, como também reconhece que a industrialização da peça foi inspecionada pelo IBD (Instituto Biodinâmico).

Zady é uma loja online inteiramente dedicada à moda ética. Através de uma seleção criteriosa de marcas do mundo todo, a empresa tem como missão oferecer produtos cujas origens sejam transparentes e que ofereçam materiais de qualidade e uma estética “timeless”. Na descrição de cada peça, há uma explicação sobre os motivos que fazem dela especial, junto a uma iconografia de seis selos que ajudam a avaliar as características da roupa.

Zady

Mais do que a ideia eco-friendly que imperou há alguns anos no mercado, hoje as marcas estão levando em consideração o repúdio do público por escândalos que degradam a vida humana. O despertar para uma maneira mais evoluída de consumir deverá atingir proporções ainda maiores nos próximos anos.

Versão resumida ×

O consumo de moda vem sendo repensado e revisto. Questões éticas entram em jogo e começam a ser consideradas nas decisões de compra. Quando os males da indústria vem à tona, consumir passa a ser um ato consciente e político.

Nos últimos anos, o mundo vem se deparando com diversos casos de exploração do trabalho. São realidades que remetem diretamente à escravidão em vigor no século 19, envolvendo processos revoltantes como o tráfico de pessoas.

Mais do que a ideia eco-friendly que imperou há alguns anos no mercado, hoje as marcas estão levando em consideração o repúdio do público por escândalos que degradam a vida humana. O despertar para uma maneira mais evoluída de consumir deverá atingir proporções ainda maiores nos próximos anos.

Mas os consumidores não engolem qualquer coisa. A ética na moda não funciona quando escancarada como forma de marketing: são valores silenciosos que devem ser intrínsecos ao dia a dia da empresa, fazendo uma diferença prática e sensível na sociedade.

Exibir texto integral

Vá Além

Walk Free

Walk Free é uma ONG mundial determinada a acabar com a escravidão moderna. Com uma rede de colaboradores em todo o planeta, o movimento usa redes sociais tanto para disseminar suas descobertas quanto para cobrar posicionamentos dos governos. Segundo um ranking levantado pela Walk Free em 2013, o Brasil ocupou a posição 94 no que diz respeito a tráfico de pessoas e escravidão.

Tráfico humano e escravismo moderno

O portal Radio Free Asia conta com uma rede de repórteres que investigam o business do tráfico humano na Ásia e relata casos de escravidão, que é um problema global nos dias de hoje: ainda que ela não aconteça em seu país, sua incidência se dá de forma indireta, através dos produtos que utilizam mão de obra escrava.

A demissão de Dov Charney da American Apparel

Um dos fundadores da marca American Apparel, Dov Charney, foi destituído de seu cargo após virem à tona histórias que denunciam seu passado vinculado a assédio sexual, além de atitudes contraditórias ao cargo que ele ocupava na empresa, por exemplo autorizar a criação de um blog de “revenge porn” para delegitimar o processo jurídico de uma de suas vítimas.

Escravos de sempre

A escravidão foi abolida no século XIX, mas ainda existem pessoas vivendo em situações de trabalho degradantes. E, apesar de a maioria dos empresários no Brasil não utilizar trabalho escravo, há quem tente legitimar esse tipo de exploração, ainda que a legislação brasileira seja forte nesse quesito e não abra brechas para isso.

Economia sustentável e a ressignificação de sucesso

Em um cenário ambiental que demanda por uma mudança geral na mentalidade humana, os critérios do que é "sucesso" mudaram, principalmente no que diz respeito ao que seria uma pessoa ou um negócio bem sucedido. Novos códigos substituem modelos capitalistas, evidenciando a urgência da economia sustentável.

Comente

Mudando de assunto...

Anti-intelectualismo e o diagnóstico do subjetivo

 

Em um cenário de crise generalizada da (des)confiança, passamos a questionar especialistas — nada mais é subjetivo ou complicado demais para que não tenhamos uma opinião certeira e definitiva, capaz de ditar inclusive o que podem pensar as outras pessoas. O anti-intelectualismo é comumente expresso na forma de hostilidade e desconfiança em relação ao universo intelectual, como por exemplo a depreciação da filosofia e o desdém pela arte.

Minorias no pódio: o papel inclusivo do esporte

Post Prejudice

A reprovação veemente de posicionamentos discriminatórios e a comemoração das vitórias de classes oprimidas são comportamentos que iluminam intolerâncias e criam demanda por uma nova forma de noticiar o esporte. Quando há novos parâmetros para a construção de ídolos, a comunicação se empenha em cumprir um papel social relevante.

Resgate dos saberes tradicionais das mulheres

Sabedoria Natural

Saberes tradicionais de benzedeiras, curandeiras e parteiras ganham reconhecimento e são resgatados, com novo fôlego, pelo despertar de uma nova consciência atrelada ao declínio do consumo. Projetos e marcas buscam valores mais humanos, priorizam a reapropriação dos corpos femininos, a aceitação dos processos orgânicos e a reconexão com o sagrado.