O deslocamento da piada nas entrelinhas

/

A trollagem expandiu seu alcance e se transformou em uma inteligente forma de comunicação, propondo a dúvida entre o que é sério e o que é zoação

por Eduardo Biz

Antes restrita a caixas de comentários, a trollagem expandiu seu alcance e se transformou em uma inteligente forma de comunicação. Sua essência é suspender algumas verdades e levantar a dúvida entre o que é sério e o que é zoação.

Smart Trolling é um movimento que provoca o questionamento sobre o que é proposital e o que é acidental. É a ideia de que a graça pode estar somente na sua cabeça: mas, afinal, a piada estava em quem mesmo?

Tata Werneck na capa da revista Nova

Quando a revista Nova, conhecida por enaltecer o clichê da mulher photoshopada e perfeita, faz uma capa com a humorista Tatá Werneck, paira no ar uma sensação de que algo estacionou nas entrelinhas.

Tatá foge do modelo tradicional de cover girl, por sua aparência e também por sua origem de comediante. Inclusive esse “padrão Nova” sustenta um de seus personagens mais emblemáticos, a celebridade wannabe Roxanne. Fica difícil detectar onde termina a piada e começa a seriedade. São limites permeáveis.

Será que essa capa de revista se trata de uma tirada de sarro? E por parte de quem: da Nova ou de Tatá? Ou seria apenas uma tentativa positiva de romper com os paradigmas estéticos? Ou ainda: estaria a piada no público, que está consumindo esse conteúdo? Temos aqui um indício de Smart Trolling.

Miley
“Minha Trollada, Minha Vida”: Miley saiu do reino encantado da Disney e trollou mães e pais arrependidos das escolhas culturais que deram aos adolescentes dos anos 2000.

Trollando o sistema

No desfile da coleção Inverno 2014/15, a grife Chanel montou um supermercado cenográfico dentro do Grand Palais, em Paris. Em vez de uma glamourosa passarela, as modelos desfilaram por corredores de prateleiras repletas de molhos de tomate, vassouras e vidros de azeite de oliva. Tudo assinado por Karl Lagerfeld, evidentemente.

Ao final do desfile, a pose e elegância dos fashionistas deram lugar ao delírio consumista. Quando uma voz anunciou que os convidados poderiam pegar frutas e legumes da banca de vegetais, os convidados partiram com tudo para cima das prateleiras, levando não só os produtos como também partes da estrutura cenográfica.

Chanel

Essa reação teria sido prevista por Lagerfeld? É possível que sim, já que na saída do local os seguranças se certificaram de confiscar os produtos saqueados. Trollados no cerne de seus ímpetos consumistas, os fashionistas foram embora se perguntando em que momento a piada virou contra eles mesmos.

Esse deslocamento da piada tem sido frequente no mundo da moda. Cara Delevingne, modelo-hit do Instagram, prefere não mostrar o lado fancy de seu universo, visto em campanhas importantes como Burberry e Victoria’s Secret. Seu estilo provoca imensa identificação com o público, não é à toa que ela contabiliza quase 7 milhões de seguidores.

Em seu perfil, a moça exibe sua atitude escrachada, não raro rindo do próprio sistema da moda, seja mostrando as pantufas que usa antes de pisar na passarela com saltos monumentais, seja tirando sarro da grafia das marcas para as quais desfila.

Moschino

Em sua primeira coleção como diretor criativo da Moschino, Jeremy Scott colocou o McDonald’s na passarela. Sucesso instantâneo, a fast-food fashion estava disponível para venda no dia seguinte ao desfile, e as capinhas de celular em forma de batata frita viraram o must da temporada.

Quando a reação esperada por parte do McDonald’s seria um processo judicial, a rede de hambúrgueres manteve o silêncio e não se manifestou. Pouco tempo depois lançou seus próprios cases de batata frita. O troll aqui ganhou mais uma camada: aproveitou-se de uma ideia que já nasceu tirando proveito de si mesma.

Em Smart Trolling, a lógica do “quem ri por último” pode ser infinita.

Versão resumida ×

Antes restrita a caixas de comentários, a trollagem expandiu seu alcance e se transformou em uma inteligente forma de comunicação. Sua essência é suspender algumas verdades e levantar a dúvida entre o que é sério e o que é zoação.

Smart Trolling é um movimento que provoca o questionamento sobre o que é proposital e o que é acidental. É a ideia de que a graça pode estar somente na sua cabeça: mas, afinal, a piada estava em quem mesmo?

Quando a revista Nova, conhecida por enaltecer o clichê da mulher photoshopada e perfeita, faz uma capa com a humorista Tatá Werneck, paira no ar uma sensação de que algo estacionou nas entrelinhas. Tatá foge do modelo tradicional de cover girl: por ser comediante, fica difícil detectar onde termina a piada e começa a seriedade. São limites permeáveis.

Será que essa capa de revista se trata de uma tirada de sarro? E por parte de quem: da Nova ou de Tatá? Ou seria apenas uma tentativa positiva de romper com os paradigmas estéticos? Ou ainda: estaria a piada no público, que está consumindo esse conteúdo? Temos aqui um indício de Smart Trolling, em que a lógica do “quem ri por último” pode ser infinita.

Exibir texto integral

Vá Além

Shrturl.co

O site Shrturl.co é uma ferramenta que permite que se edite texto e imagens de páginas da Internet. É possível compartilhar o resultado, mas ele expira em 48h. Perfeito para benfeitores que querem propor mudanças de design e de texto, mas também feito sob medida para os mais ácidos trolls.

Usuária do Nike+ faz desenhos com suas corridas

A corredora Claire Wyckoff utiliza o aplicativo Nike+ para fazer desenhos de suas rotas de corrida. Seu repertório artístico é basicamente constuído de pênis, embora ela também empenhe seus exercícios físicos na formação de aliens do jogo Space Invader e dançarinas de pole dance.

Comente

Mudando de assunto...

Afrofuturismo: sonho e concretização de futuros possíveis

Post Prejudice

Atualmente a principal questão que se apresenta aos afrodescendentes é a da representatividade. Nesta medida, o afrofuturismo oferece uma chave de entendimento que possibilita pensar um futuro com mais justiça para a população negra. É um modo de imaginar e construir futuros possíveis pela ótica cultural negra; um ponto de ligação entre imaginação, tecnologia, futuro e liberação.

A jardinagem ativista dos hortelões urbanos

Lowsumerism

A horta urbana extrapola os motivos pelos quais as pessoas compram orgânicos em bandejinhas de isopor no supermercado. Para além dos benefícios terapêuticos de revirar o solo, o paisagismo alimentar é uma forma de resistir, e existir, nas cidades. É como se essas pessoas deixassem de olhar só para o próprio umbigo e passassem a enxergar a terra como elemento de um ecossistema integrado onde seres humanos, animais e plantas vivem em equilíbrio.

Marcas resilientes em um mundo de inquisidores

Microeconomias

Há empresas sendo julgadas como hereges pela alta inquisição das mídias sociais por demonstrarem opiniões que abraçam contextos de empoderamento e defesa de minorias. Nesse contexto, para que o pensamento estratégico possa ultrapassar preconceitos, persistir na essência pode ser um exercício de presente e futuro para as marcas.