Efemeridade como fuga da eterna memória digital

Vivemos um tempo em que tudo é passível de registro. Temos controle sobre todos os dados que cercam nossas vidas: pulseiras tecnológicas contam os quilômetros percorridos, apps contabilizam as calorias consumidas, o Instagram reflete as boas experiências vividas e o Foursquare registra os lugares visitados. Cada lembrança pode ser clicada e acessada a qualquer momento.

Trackability mode on.

Com a Internet, ficou quase impossível não deixar pegadas digitais, que podem permanecer eternas se não forem configuradas para o contrário. As pessoas acostumaram-se a contar com a certeza de que estes rastros do passado estarão sempre lá, prontos para serem sacados. Ser um stalker deixa de ser exclusividade dos esquisitões e passa a ser comportamento padrão — ainda que em segredo para alguns.

Neste contexto de superexposição, é crescente o contramovimento que vê a impermanência como medida para proteger a privacidade. E a busca por ela é latente.

Telegram

Não é à toa que o aplicativo Telegram tenha sido um dos mais baixados de 2014. Muito parecido com o Whatsapp, o app oferece o serviço de troca de mensagens, porém permitindo que as mensagens desapareçam depois de um determinado período de tempo — a mesma lógica por trás do Snapchat. Além disso, o Telegram envia mensagens criptografadas e possibilita a criação de “secret chats” com seus contatos, com a promessa de não deixar vestígios dos dados nos servidores da empresa.

O recado é o simples: quando tudo é passageiro, a memória pessoal torna-se o único backup. Só perdura o que realmente importa. A informação com curto prazo de validade se torna uma poderosa ferramenta de comunicação, e seu valor é exatamente a evanescência. Nesse cenário, há uma revalorização do presente e sua capacidade de se desintegrar. Câmeras analógicas como a Fujifilm Instax nunca fizeram tanto sentido: viraram febre entre um público nostálgico por aquilo que nunca viveu.

Fotos de Hawkeye Huey, o menino de 5 anos de idade que publica suas Instax no Instagram.

Fora do ambiente digital a efemeridade também prospera. Eventos antes encarados com os olhos dramáticos da eternidade passam a ser guiados pela espontaneidade: diploma não amarra mais ninguém a somente um trabalho; aparências e estilos mudam de acordo com a vontade ou a ocasião; casamentos têm início, meio e fim. A fugacidade não é uma vilã, é só uma forma de compreender a vida.

Arte efêmera + culto à privacidade = hot stuff

A leve subversão em simplesmente não querer ser encontrado é um comportamento que reflete a ressaca da cultura mobile. Quando a falta passa a ser entendida como uma condição humana, é natural que seja valorizado tudo aquilo que é limitado, escasso, raro.

Neste contexto que engrandece tudo que não dura para sempre, obras de arte se reinventam e colocam em xeque a questão do colecionismo. Como preservar um produto que não existe? Nos anos 1960, Yves Klein foi precursor deste pensamento vanguardista ao vender obras invisíveis. Recentemente, o artista Tino Sehgal vendeu um trabalho à Tate Gallery que consiste em um sussurro no ouvido do curador, contendo as instruções sobre a obra. A ideia integra o acervo do museu de maneira tanto imaterial quanto efêmera: se o curador eventualmente deixar seu cargo, terá de repassar o sussurro para outro profissional.

Sia

Na música, diversos artistas têm evitado a superexposição de suas figuras, e nem por isso deixam de conquistar grandes audiências. A cantora Sia, por exemplo, prefere se apresentar de costas para o público, colocando sua música em primeiro plano. Apesar de uma parcela do público considerar a atitude uma afronta carregada de desrespeito, é notável a preocupação da cantora em proteger sua carreira dos malefícios da fama. Afinal, o histórico da cultura das celebridades vem ensinando há décadas que superexposição é sinônimo de transtornos e infelicidades, vide as biografias conturbadas de astros como Michael Jackson, Lindsay Lohan ou Justin Bieber. O que Sia elucida é que a ideia de “fama” ganhou novas nuances no mundo contemporâneo.

Outros músicos e bandas também estão optando pela discrição da autoimagem. Gazelle Twin combina seus experimentalismos sonoros com o mistério de não revelar o rosto. A dupla Rhye só faz shows à meia-luz, impossibilitando que suas identidades sejam reveladas, atitude que os permite “sentir muito mais humildes e fieis à música”. No Brasil, o mascarado Desampa vem chamando atenção com suas gravações regadas a mistério, beleza e melancolia.

Até a literatura está manifestando apreço pelo efêmero. O livro “Private Vegas”, de James Patterson, foi lançado com uma campanha imersiva que deu vida ao clima de ficção criminosa da história. A versão digital da obra só existiu por 24 horas, período que atraiu mil leitores ao site do projeto. Uma cópia física do livro — envolta por explosivos com um timer — foi entregue a um empenhado leitor durante um jantar com o próprio autor.

Imagem de Bence Bakonyi

Por bem ou por mal, o fácil acesso à memória faz com que ela se banalize. É revolucionário ter tantas informações na mão a qualquer momento, mas o jogo muda de figura quando os dados dizem respeito à própria intimidade. Quando tudo pode ser trackeado, camuflar-se passa a ser um desejo coletivo que torna valioso qualquer exercício de efemeridade. Que seja eterno enquanto dure.

Capa: Richard T. Walker
Versão resumida ×

Vivemos um tempo em que tudo é passível de registro. Com a Internet, ficou quase impossível não deixar pegadas digitais, que podem permanecer eternas se não forem configuradas para o contrário. Neste contexto de super-exposição, é crescente o contra-movimento que vê a impermanência como medida para proteger a privacidade. E a busca por ela é latente.

O recado é o simples: quando tudo é passageiro, a memória pessoal torna-se o único backup. Só perdura o que realmente importa. A informação com curto prazo de validade se torna uma poderosa ferramenta de comunicação, e seu valor é exatamente a evanescência. Nesse cenário, há uma revalorização do presente e sua capacidade de se desintegrar.

Fora do ambiente digital a efemeridade também prospera. Eventos antes encarados com os olhos dramáticos da eternidade passam a ser guiados pela espontaneidade. Mas a fugacidade não é uma vilã, é só uma forma de compreender a vida.

Por bem ou por mal, o fácil acesso à memória faz com que ela se banalize. É revolucionário ter tantas informações na mão a qualquer momento, mas o jogo muda de figura quando os dados dizem respeito à própria intimidade. Quando tudo pode ser trackeado, camuflar-se passa a ser um desejo coletivo que torna valioso qualquer exercício de efemeridade. Que seja eterno enquanto dure.

Exibir texto integral

Vá Além

Blink Link

A partir de um upload feito pelo usuário, o site Blink Link gera um link com visualizações controladas, sendo que o máximo estipulado pelo site é de cinquenta “blinks”, ou seja, cinquenta “piscadas de olho”. Depois disso o site promete que o conteúdo some pra sempre — a não ser que alguém tenha tirado algum screenshot.

Facebook testa expiração de dados

O Facebook iniciou o teste de um novo recurso para posts no app para Iphone. Os posts poderiam desaparecer de uma hora a uma semana depois de sua publicação. A falta de privacidade é um grande motivador dessa nova orientação evanescente da comunicação. Com a nova ferramenta, é possível compartilhar sem deixar tudo online para todo mundo ver para sempre. O sistema também é útil para publicações que só fazem sentido naquele momento, como por exemplo o anúncio do horário de exibição de um programa de TV.

Snapchat a ponto de se tornar uma máquina de publicações?

Referência no assunto efemeridade digital, o aplicativo Snapchat adicionou a ferramenta “Discover”, que abre espaço para publicações escritas que expiram após 24h. A nova função atraiu uma lista de parceiros com nomes como CNN, Vice, ESPN E National Geographic, entre outros gigantes do meio editorial, cujos materiais já se encontram disponíveis no Snapchat.

Comente

Mudando de assunto...

Unfashion – resumo da tendência

Trend

A moda enfrenta uma auto-subsversão em seu sistema, cobrando de si valores que fazem com que as roupas deixem de ser objetos para se transformarem em sujeitos.

O ampliamento do conceito de gênero

Moda

Acontece há um tempo na moda um movimento de inversão de códigos do vestuário masculino e feminino, quebrando normas pré-estabelecidas e antigas noções de gênero. Trata-se de uma libertação de estereótipos, uma espécie de jogo ilusório interpretado por alguns como moda unissex. Novos formatos de negócio começam a prestar atenção a um público até então carente de roupas e produtos que acompanhassem seus modos de pensar a questão do gênero.

O deslocamento da piada nas entrelinhas

Comunicação

Antes restrita a caixas de comentários, a trollagem expandiu seu alcance e se transformou em uma inteligente forma de comunicação. Sua essência é suspender algumas verdades e levantar a dúvida entre o que é sério e o que é zoação. É a ideia de que a graça pode estar somente na sua cabeça: mas, afinal, a piada estava em quem mesmo?