Efemeridade como fuga da eterna memória digital

/

Quando tudo pode ser trackeado, camuflar-se passa a ser um desejo coletivo que valoriza o exercício de efemeridade

por Eduardo Biz capa Richard T. Walker

Vivemos um tempo em que tudo é passível de registro. Temos controle sobre todos os dados que cercam nossas vidas: pulseiras tecnológicas contam os quilômetros percorridos, apps contabilizam as calorias consumidas, o Instagram reflete as boas experiências vividas e o Foursquare registra os lugares visitados. Cada lembrança pode ser clicada e acessada a qualquer momento. Trackability mode on.

Com a Internet, ficou quase impossível não deixar pegadas digitais, que podem permanecer eternas se não forem configuradas para o contrário. As pessoas acostumaram-se a contar com a certeza de que estes rastros do passado estarão sempre lá, prontos para serem sacados. Ser um stalker deixa de ser exclusividade dos esquisitões e passa a ser comportamento padrão — ainda que em segredo para alguns.

Neste contexto de superexposição, é crescente o contramovimento que vê a impermanência como medida para proteger a privacidade. E a busca por ela é latente.

Telegram

Não é à toa que o aplicativo Telegram tenha sido um dos mais baixados de 2014. Muito parecido com o Whatsapp, o app oferece o serviço de troca de mensagens, porém permitindo que as mensagens desapareçam depois de um determinado período de tempo — a mesma lógica por trás do Snapchat. Além disso, o Telegram envia mensagens criptografadas e possibilita a criação de “secret chats” com seus contatos, com a promessa de não deixar vestígios dos dados nos servidores da empresa.

O recado é o simples: quando tudo é passageiro, a memória pessoal torna-se o único backup. Só perdura o que realmente importa. A informação com curto prazo de validade se torna uma poderosa ferramenta de comunicação, e seu valor é exatamente a evanescência.

Nesse cenário, há uma revalorização do presente e sua capacidade de se desintegrar. Câmeras analógicas como a Fujifilm Instax nunca fizeram tanto sentido: viraram febre entre um público nostálgico por aquilo que nunca viveu.

Fotos de Hawkeye Huey, o menino de 5 anos de idade que publica suas Instax no Instagram.

Fora do ambiente digital a efemeridade também prospera. Eventos antes encarados com os olhos dramáticos da eternidade passam a ser guiados pela espontaneidade: diploma não amarra mais ninguém a somente um trabalho; aparências e estilos mudam de acordo com a vontade ou a ocasião; casamentos têm início, meio e fim. A fugacidade não é uma vilã, é só uma forma de compreender a vida.

Arte efêmera + culto à privacidade = hot stuff

A leve subversão em simplesmente não querer ser encontrado é um comportamento que reflete a ressaca da cultura mobile. Quando a falta passa a ser entendida como uma condição humana, é natural que seja valorizado tudo aquilo que é limitado, escasso, raro.

Neste contexto que engrandece tudo que não dura para sempre, obras de arte se reinventam e colocam em xeque a questão do colecionismo. Como preservar um produto que não existe? Nos anos 1960, Yves Klein foi precursor deste pensamento vanguardista ao vender obras invisíveis. Recentemente, o artista Tino Sehgal vendeu um trabalho à Tate Gallery que consiste em um sussurro no ouvido do curador, contendo as instruções sobre a obra. A ideia integra o acervo do museu de maneira tanto imaterial quanto efêmera: se o curador eventualmente deixar seu cargo, terá de repassar o sussurro para outro profissional.

Sia
Sia

Na música, diversos artistas têm evitado a superexposição de suas figuras, e nem por isso deixam de conquistar grandes audiências. A cantora Sia, por exemplo, prefere se apresentar de costas para o público, colocando sua música em primeiro plano. Apesar de uma parcela do público considerar a atitude uma afronta carregada de desrespeito, é notável a preocupação da cantora em proteger sua carreira dos malefícios da fama. Afinal, o histórico da cultura das celebridades vem ensinando há décadas que superexposição é sinônimo de transtornos e infelicidades, vide as biografias conturbadas de astros como Michael Jackson, Lindsay Lohan ou Justin Bieber. O que Sia elucida é que a ideia de “fama” ganhou novas nuances no mundo contemporâneo.

Outros músicos e bandas também estão optando pela discrição da autoimagem. Gazelle Twin combina seus experimentalismos sonoros com o mistério de não revelar o rosto. A dupla Rhye só faz shows à meia-luz, impossibilitando que suas identidades sejam reveladas, atitude que os permite “sentir muito mais humildes e fieis à música”. No Brasil, o mascarado Desampa vem chamando atenção com suas gravações regadas a mistério, beleza e melancolia.

Até a literatura está manifestando apreço pelo efêmero. O livro “Private Vegas”, de James Patterson, foi lançado com uma campanha imersiva que deu vida ao clima de ficção criminosa da história. A versão digital da obra só existiu por 24 horas, período que atraiu mil leitores ao site do projeto. Uma cópia física do livro — envolta por explosivos com um timer — foi entregue a um empenhado leitor durante um jantar com o próprio autor.

Imagem de Bence Bakonyi

Por bem ou por mal, o fácil acesso à memória faz com que ela se banalize. É revolucionário ter tantas informações na mão a qualquer momento, mas o jogo muda de figura quando os dados dizem respeito à própria intimidade. Quando tudo pode ser trackeado, camuflar-se passa a ser um desejo coletivo que torna valioso qualquer exercício de efemeridade. Que seja eterno enquanto dure.

Versão resumida ×

Vivemos um tempo em que tudo é passível de registro. Com a Internet, ficou quase impossível não deixar pegadas digitais, que podem permanecer eternas se não forem configuradas para o contrário. Neste contexto de super-exposição, é crescente o contra-movimento que vê a impermanência como medida para proteger a privacidade. E a busca por ela é latente.

O recado é o simples: quando tudo é passageiro, a memória pessoal torna-se o único backup. Só perdura o que realmente importa. A informação com curto prazo de validade se torna uma poderosa ferramenta de comunicação, e seu valor é exatamente a evanescência. Nesse cenário, há uma revalorização do presente e sua capacidade de se desintegrar.

Fora do ambiente digital a efemeridade também prospera. Eventos antes encarados com os olhos dramáticos da eternidade passam a ser guiados pela espontaneidade. Mas a fugacidade não é uma vilã, é só uma forma de compreender a vida.

Por bem ou por mal, o fácil acesso à memória faz com que ela se banalize. É revolucionário ter tantas informações na mão a qualquer momento, mas o jogo muda de figura quando os dados dizem respeito à própria intimidade. Quando tudo pode ser trackeado, camuflar-se passa a ser um desejo coletivo que torna valioso qualquer exercício de efemeridade. Que seja eterno enquanto dure.

Exibir texto integral

Vá Além

Blink Link

A partir de um upload feito pelo usuário, o site Blink Link gera um link com visualizações controladas, sendo que o máximo estipulado pelo site é de cinquenta “blinks”, ou seja, cinquenta “piscadas de olho”. Depois disso o site promete que o conteúdo some pra sempre — a não ser que alguém tenha tirado algum screenshot.

Facebook testa expiração de dados

O Facebook iniciou o teste de um novo recurso para posts no app para Iphone. Os posts poderiam desaparecer de uma hora a uma semana depois de sua publicação. A falta de privacidade é um grande motivador dessa nova orientação evanescente da comunicação. Com a nova ferramenta, é possível compartilhar sem deixar tudo online para todo mundo ver para sempre. O sistema também é útil para publicações que só fazem sentido naquele momento, como por exemplo o anúncio do horário de exibição de um programa de TV.

Snapchat a ponto de se tornar uma máquina de publicações?

Referência no assunto efemeridade digital, o aplicativo Snapchat adicionou a ferramenta “Discover”, que abre espaço para publicações escritas que expiram após 24h. A nova função atraiu uma lista de parceiros com nomes como CNN, Vice, ESPN E National Geographic, entre outros gigantes do meio editorial, cujos materiais já se encontram disponíveis no Snapchat.

Comente

Mudando de assunto...

Erupções digitais no mundo físico

Playing Reality

Hoje, como nunca antes na história dos avanços tecnológicos, experiências estéticas criadas por máquinas são valorizadas por seu teor artístico. A exportação de elementos imagéticos do universo digital nunca esteve tão presente no plano físico. O termo The New Aesthetic se refere à invasão no mundo real da linguagem visual própria dos meios digitais. Trata-se da maneira como as máquinas veem e entendem o mundo real, e também como o mundo real vê e entende a estética produzida pelas máquinas.

Por que falar de dinheiro para mulheres?

Invista como uma garota

Mulheres puderam ter CPF a partir de 1962. Isso são 56 anos atrás. A mãe da Aninha tem 57 anos e a mãe da Vic tem 53. Por que isso importa? Porque elas são filhas – e possivelmente você, leitor(a), também – da primeira geração de mulheres brasileiras com o direito de ter uma conta…

Mundo de excessos: luxo preciso

Lowsumerism

Vivemos em um mundo de excessos e nossa educação tem se voltado, cada vez mais, para o hábito de consumir. Antes de darem os primeiros passos, crianças já possuem o quarto decorado, um guarda roupa pensado para todo tipo de evento social, uma agenda tão complexa que a visita de um parente próximo só será possível em três meses. Crescem acreditando que é normal ter tudo e se tornam adultos frustrados. Essa cultura do excesso transformou tudo em vulgaridade.