Playing Reality

/

por Eduardo Biz

Nas últimas décadas, instaurou-se no mundo uma mentalidade seamless que desfez as costuras entre on e off, questionando as barreiras que costumavam dividir o real e o ficcional. Múltiplas realidades e planos passaram a coexistir em um jogo de realidades no qual o que é fictício se alimenta da vida real, e vice-versa.

Leia o report completo sobre Playing Reality.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Cultura pop e a redenção do gênero

TRANScenGENDER

A cultura de massa que expõe nuances de gênero é o contato mais próximo que muitas pessoas têm com seus universos ideais. O pop, com todas as suas indefinições, exime-se da obrigação de possuir um papel social ativo, mas, intencionalmente ou não, acaba por provocar transformações. Quando uma situação é retratada em uma peça de teatro ou em um filme, visitamos lugares psicológicos sem a necessidade de aquilo ser real. Com o gênero acontece o mesmo.

Economia colaborativa e a expansão do eu

Lowsumerism

Acompanhando a liquidez da pós-modernidade, desponta a economia compartilhada. Ao termos acesso a mais coisas, e sendo elas ainda mais descartáveis, criamos uma identidade exponencialmente mais fluída, mais compatível com nós mesmos. Não somos o que temos, mas o que acessamos.

NORMCORE não é o que você pensa – menos ainda o que você veste!

Youth Mode

NORMCORE não é uma teoria geracional, nem uma bandeira, nem um fenômeno cultural de larga escala. Não é uma TEORIA nem um MOVIMENTO. NORMCORE é, antes de qualquer outra coisa, uma NOÇÃO. Um sentimento de empatia e uma sutil opinião sobre o que nós humanos estamos vivendo nestes tempos atuais. Posso dizer como um dos participantes da criação deste conceito que, um ano passado o hype do NORMCORE, pouco se compreendeu sobre essa NOÇÃO cultural.