Playing Reality

/

por Eduardo Biz

Nas últimas décadas, instaurou-se no mundo uma mentalidade seamless que desfez as costuras entre on e off, questionando as barreiras que costumavam dividir o real e o ficcional. Múltiplas realidades e planos passaram a coexistir em um jogo de realidades no qual o que é fictício se alimenta da vida real, e vice-versa.

Leia o report completo sobre Playing Reality.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Anti-intelectualismo e o diagnóstico do subjetivo

 

Em um cenário de crise generalizada da (des)confiança, passamos a questionar especialistas — nada mais é subjetivo ou complicado demais para que não tenhamos uma opinião certeira e definitiva, capaz de ditar inclusive o que podem pensar as outras pessoas. O anti-intelectualismo é comumente expresso na forma de hostilidade e desconfiança em relação ao universo intelectual, como por exemplo a depreciação da filosofia e o desdém pela arte.

Cultura pop e a redenção do gênero

TRANScenGENDER

A cultura de massa que expõe nuances de gênero é o contato mais próximo que muitas pessoas têm com seus universos ideais. O pop, com todas as suas indefinições, exime-se da obrigação de possuir um papel social ativo, mas, intencionalmente ou não, acaba por provocar transformações. Quando uma situação é retratada em uma peça de teatro ou em um filme, visitamos lugares psicológicos sem a necessidade de aquilo ser real. Com o gênero acontece o mesmo.

Wearables: tecnologia sensível à moda

Playing Reality

Em um mundo dominado pela metrificação, os wearables estão fazendo diferente, criando conteúdo de qualidade através da valorização do sentimento. À medida que a tecnologia se lança em novas ambições para ser mais intuitiva, há uma movimentação natural em direção à moda. A expectativa é de que moda e tecnologia fundam-se a fim de trazer um frescor de benefício mútuo.