Unfashion

/

por Eduardo Biz

Trata-se de uma subsversão em que a própria moda cobra de si valores como autenticidade individual, memória e consumo durável. O movimento Unfashion propõe que as roupas deixem de ser apenas objetos para se transformarem em sujeitos que constroem com as pessoas uma relação mais emocional.

Leia o report completo.

Versão resumida ×

Exibir texto integral

Comente

Mudando de assunto...

Finitude como forma de libertação

Short Life

A lógica da infinitude presente na Internet mudou a maneira como a informação é consumida. Há uma quantidade radical de conteúdo ao redor, independente de sua relevância e utilidade. Ver tantas opções escancaradas na sua frente é desesperador. Assim, um esquecimento generalizado coletivo clama por precisão e qualidade da informação. Chegar ao fim de algo pode ser mais libertador do que a infinitude.

As novas economias e suas possibilidades de fluxo

Lowsumerism

Para nos libertarmos de um modelo econômico que destrói a natureza e nos afasta de toda e qualquer conexão significativa, temos que nos livrar de suas premissas. A liberdade não reside na escolha de consumo nem de produção, mas na escolha de como fazê-los. O campo social pós-Internet mostra que, ao interagirmos na rede da economia colaborativa, ampliamos as possibilidades de fluxo, não só de informação mas também de recursos.

Ídolos reinventados: influenciadores digitais e representatividade

Youth Mode

Ídolos mudam de geração para geração. Nesta, chegamos aos digital influencers, que são famosos, às vezes, apenas por ter um corpo bonito ou uma vida invejável. Porém a imagem esgota-se em si mesma, contaminando não só quem a adora, mas também quem a produz. Youtubers e Instagrammers ativistas despontam como novos ídolos, espalhando, além da imagem, mensagem.